quinta-feira, 14 de outubro de 2021


OS POÇOS DE ISAQUE

Texto: Gn. 26.18-22 “E tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai, e que os filisteus taparam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai. Cavaram, pois, os servos de Isaque naquele vale e acharam ali um poço de águas vivas. E os pastores de Gerar porfiaram com os pastores de Isaque, dizendo: Esta água é nossa. Por isso, chamou o nome daquele poço Eseque, porque contenderam com ele. Então, cavaram outro poço e também porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome Sitna. E partiu dali e cavou outro poço; e não porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome Reobote e disse: Porque agora nos alargou o Senhor, e crescemos nesta terra” (ARC).


Introdução: todos os povos de características pastoris, como os hebreus em sua vida seminômade, buscavam fugir de lugares áridos para manterem sua própria subsistência e a de seus rebanhos. As civilizações mais antigas e as grandes cidades têm seu nascedouro ou suas origens à margem de um importante rio. Foi assim com o Egito (Nilo), a Índia (Ganges), Inglaterra (Londres - Tâmisa), França (Paris - Sena), Israel (Jordão), Brasil (Amazonas, São Francisco, Paraná, Tocantins, Tietê entre outros). Isso por que a água é fonte de vida e fundamental e essencial para a manutenção da vida na terra. Por essa causa os desertos são desabitados e sem vida, sem água, sem rios, sem árvores e seus frutos, sem gado ou aves, restando-lhe somente a sobrevivência de serpentes, aves de rapina e escorpiões.

1 – Os Poços de Abraão.

Abrão morava em Ur dos Caldeus, na Mesopotâmia (região entre rios), banhada pelo Rio Tigres e o Rio Eufrates, quando foi chamado para ir para “uma terra que mana leite e mel”. Essa expressão significa lugar de terra fértil e próspera, “onde se plantando, tudo se dá” (1).

A necessidade de água era tão intensa que em seu chamado, Abrão seguiu margeando o grande Rio Eufrates, subindo ao Norte para depois descer para o Sul já dentro dos limites da terra da promessa. Sua caminhada de Ur até ao centro da lhe rendeu cerca de 940 km em suas peregrinações, enquanto em uma linha reta levaria apenas cerca de 640 km, porém, havia um deserto enorme para atravessar. Ao chegar na terra prometida Abrão enfrentou fome, ora a fome, geralmente é provocada pela escassez de água, pela seca. Assim, viu-se obrigado a ingressar no Egito e mais tarde peregrinar nas terras filisteias e cavar poços para manutenção de sua vida, seus familiares, seus servos e seus rebanhos. Os períodos de fome e peregrinação em Gerar deram-se antes do nascimento de Isaque. Em Gn. 12.10-20, o patriarca foi para o Egito, de onde trouxe Agar como serva de Sara e em Gn. 20.1, começa sua peregrinação pelas terras dos filisteus, tendo Isaque nascido somente no capítulo 21. Isso posto, seria bom asseverarmos a importância da tradição oral no período patriarcal e a necessidade de se conhecer a história de nossos pais. Isto é, Isaque tomou conhecimento das peregrinações de seu pai por que havia diálogo entre eles. Em sua peregrinação nas terras dos filisteus cavou poços nas terras de Gerar, donde tirou água para sua família e seus rebanhos.

2 – Os Poços de Isaque

Isaque seguiu os passos de seu pai Abraão até mesmo nas meia-verdades, negando que Rebeca era sua esposa, assim como Abraão omitiu o fato de Sara ser sua meia-irmã. E isso por que ambas eram muito formosas. O filho da promessa também enfrentou muitos obstáculos, posto que o seu rebanho havia crescido, aparentemente, mais que o de seu pai, sendo chamado de rico e poderoso.

Em sua peregrinação Isaque fez o que todo filho faria: morar na terra que seu pai recebeu de Deus e cavar, ou melhor, desentulhar os poços de seu pai que os filisteus haviam entulhado. Há aqui uma interessante lição para nós: os filisteus de hoje não estão tão interessados na água, preferindo entulhar, jogar lixo, na doutrina da Igreja.

O contexto aponta para o versículo 1, que diz: “E havia fome na terra, além da primeira fome, que foi nos dias de Abraão; por isso, foi-se Isaque a Abimeleque, rei dos filisteus, em Gerar.”

Notemos que mesmo a terra que Deus prometeu aos patriarcas estava sujeita a secas e consequentemente a fomes e necessidades imprevisíveis. A Bíblia deixa claro que essa fome era diferente da primeira fome nos dias de Abrão (Gn. 26.1) para que não se rotulasse esse episódio como duplicação de texto por conta da crítica bíblica.

Certamente a intenção de Isaque era descer ao Egito exatamente como seu pai, pois em Gn. 26.2, o Senhor orienta o patriarca a não descer ao Egito, pois a descida de Abrão à terra dos egípcios lhe trouxe muitos males – entenda-se Agar e Ismael – mas, ficasse nas terras de Gerar, pois o Senhor seria com ele (Gn. 26.3). Em outras palavras, Deus estava dizendo: “creia na minha provisão” ou “aqui mesmo lhe darei água”, ou ainda: “procure água aqui que você vai encontrar”. Deus abençoou muitíssimo a Isaque. Este semeou e colheu 100 vezes mais para que não aceitasse presentes de Abimeleque, como seu pai havia Abraão feito no passado. Essa história ocorreu cerca de 100 anos após as viagens de seu pai, logo torna-se desnecessário aventar o que já se é sabido: que Abimeleque e Ficol são títulos e não nomes próprios.

Isaque, que conhecia a história de seu pai – como é bom conhecer a história de nossos pais – com bravura, pôs-se a desentulhar os poços de seu velho, porém encontrou obstáculos. Os filisteus não queriam o seu crescimento e a sua prosperidade. Mesmo com a ameaça da fome na terra, a recompensa por sua obediência encontra-se nos versículos 12 a 14: se engrandeceu, prosperou, seus rebanhos cresceram e tornou-se rico e muito grande o varão Isaque e, devido ao seu crescimento, riqueza e prosperidade, os filisteus o invejaram e entupiram os poços que Abraão cavara. Logo que surgiu a necessidade de se obter água, ele resolveu, outra vez, seguir os passos de seu pai e passou a cavar os poços antigos que o velho Abraão tinha cavado, mas que agora encontravam-se entulhados pelos filisteus. Todavia, vemos nessa atitude de seus inimigos um meio de Deus levá-lo de volta à terra da promessa e, especificamente, a Berseba. Foi necessário passar pelo Vale de Gerar para alcançar Largueza (Reobote) e Juramento de Promessa (Berseba).

*Curiosidade: A Mishna, tradição rabínica, parte do Talmude, relata que quando Isaque desentulhou os poços, a água jorrou, mas quando os inimigos tomaram seus poços, os poços secaram. Quando mais tarde devolveram os poços para ele, as águas tornaram a jorrar.

O entulho dos poços não poderiam ser um obstáculo para Isaque, pois ele sabia que sob aquele lixo ainda corriam nos lençóis freáticos, as águas vivas, que há cerca de 100 anos, havia dessedentado seus pais e seus rebanhos. Faz-se oportuno aqui uma breve reflexão, pois os adversários do Evangelho estão querendo entulhar, jogar o lixo do secularismo, do relativismo e da imoralidade em nossas igrejas e em nossas doutrinas basilares. Cabe, portanto, a nós, desentulharmos o quanto pudermos das nossas denominações o lixo doutrinário e litúrgico dos hereges que se dizem cristãos e descontaminar a superfície das igrejas que ensinavam a sã doutrina e orar para que as tais sejam revitalizadas, posto que as águas límpidas do Espírito estão prontas a jorrar onde houver fé genuína (Jo. 4.13,14; 7.38,39).

Por quê os Filisteus entulharam os poços?

Porque invejaram a bênção de Deus sobre a vida de Isaque, que prosperava mesmo em meio à crise e à escassez de pão. Os dicionários definem a inveja como: o desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia; desejo irrefreável de possuir o que é de outrem.

Logo, a inveja é o sentimento de quem sofre por não experimentar o bem, o crescimento e a prosperidade do outro; é fruto da necessidade de ter, possuir, o que pertence ao outro. A prosperidade de Isaque causou inveja aos moradores de Gerar e estes resolveram prejudicar o jovem empreendedor que tinha a bênção do Deus Poderoso (Gn. 26.14-16) expulsando-o de suas terras. Porém, os filisteus, que pretendiam fazer o mal a Isaque lhes faziam bem, pois que ao o expelirem de suas terras, na verdade o empurravam cada vez mais para Berseba, a terra da promessa.

2.1 – O Poço de Eseque:

Eseque significa contenda, posto que os filisteus contenderem com Isaque acerca da posse do poço e das águas. Contenda tem o significado de luta, combate, guerra, altercação, rixa, discussão, discórdia, etc. É o mesmo que “discórdia” em Gl. 5.20 (NVI), ou “porfia” (ACF) ou ainda “as brigas” (BLH), sendo uma obra da carne. Portanto, quem cava poço para contender, bebe água amarga e se enche de inveja. Fiquemos com os sábios conselhos do apóstolo dos gentios: “Não vos embriagueis com vinho onde há contenda, mas enchei-vos do Espírito” (Ef. 5.18), e lembrando que “ao servo do Senhor não convém contender, mas ser manso para com todos…” (II Tm. 2,24). Pacífico, o patriarca abriu mão do seu direito e continuou a cavar novos poços.

2.2 – O Poço de Sitna:

Após o episódio de Eseque, o filho da promessa encontrou outro poço que seu pai cavara e ao desentulhá-lo, novamente os filisteus puseram-se frente a ele para fazer-lhe nova afronta. Por ocasião desse ocorrido, Isaque o chamou de Stina, que tem o significado de ódio, de inimizade e acusação. O filho de Abraão foi acusado de tomar os poços dos moradores daquela região. Interessante que a expressão “sitna” vem da mesma raiz que a palavra satanás. Ambas derivam da raiz semítica šṭn, significando hostil ou adversário hostil, oponente. Assim, vemos aqui as mãos do arqui-inimigo de Deus lutando contra o herdeiro das promessas feitas a Abraão. Também vemos em Gl. 5.20 essa expressão, “ódio” e “inimizade”, como sendo uma obra da carne. Como em Rm. 8.8 está expresso que “os que estão na carne não podem agradar a Deus”, devemos deixar esses “poços imundos” (Hino 523 da HC) e buscar beber da fonte de água da vida que procede do Trono de Deus e do Cordeiro (Ap. 22.1) e fazer um convite aos sedentos, como em Ap. 22. 17: “ O Espírito e a Noiva dizem: ‘Vem’! E quem ouve diga: ‘Vem’! E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida”.

2.3 – O Poço de Reobote:

A perseverança de Isaque nos traz muitos ensinamentos. Somente quem tem a palavra de Deus e a promessa de que será abençoado em meio à crise (Gn. 26.3), pode permanecer firme em suas convicções. Apesar das contendas em Eseque e do ódio e inimizade destilados pelos seus adversários em Stina, o patriarca continuou cavando poços até que chegou a um lugar onde não havia o aperto e o incômodo de muitos pastores e rebanhos. Cavou um poço e colocou o nome de Reobote, que traz o significado de “alargamento” A perseverança é, sem dúvida, a grande virtude dos vitoriosos. Deus direcionou o filho de Abraão para um lugar de largueza e prosperidade. A insistência do “pedi”, “batei” e “buscai” que ensinou o nosso Mestre em Mateus 7.7, faz-se ver nos passos desse grande homem de Deus. Maior que o rei Midas, das fábulas, Isaque tinha o faro das bênçãos e a bússola da vitória em Deus. Insistiu, perseverou, não desistiu, cavou um poço, cavou outro e mais um até que encontrou paz contra os seus adversários e prosperidade. Que lição de vida: cavemos, pois, porque a nossa perseverança será coroada por Deus. Enquanto cavamos, cantemos como o povo fez em Números 21.16-18, onde o Senhor mandou ajuntar o povo para lhe dar água: “Sobe poço, e vós cantai dele: ‘Tu, poço, que cavaram os príncipes, que escavaram os nobres do povo e o legislador com os seus bordões”.

2. 4 – O Poço de Berseba:

Já abençoado com o poço do alargamento, Isaque chega a Berseba, lugar dantes habitado por seu pai Abraão. O Senhor lhe aparece segunda vez e confirma a Suas Palavras em sua vida como herdeiro das promessas. Ele levanta um altar e arma a sua tenda, enquanto seus servos cavam um novo poço. Nesse ínterim chegam Abimeleque e Ficol para selarem a paz com o Príncipe de Deus, dizendo-lhe: “Agora tu és o Bendito do Senhor” (Gn. 26. 29). Por medo e não por mera diplomacia os habitantes da Filistia vieram fazer uma aliança de paz, pois aquele que um dia havia sido oferecido em holocausto (Gn. 22), tornara-se o homem mais poderoso daquela região.

Berseba significa poço do juramento. Ali Abimeleque jurou nunca mais atacar Isaque, seus pastores e seus rebanhos. Vale ressaltar a semelhança desse evento com o episódio ocorrido nos tempos do pai da fé em Gn. 21.22ss: Esse nome não é uma duplicação de Gn. 21,24-32, como muitos pensam. Seu pai chamou o lugar de Berseba, fazendo alusão aos sete cordeiros oferecidos no pacto: “poço do sete” (sheba). Isaque, por sua vez, dá o mesmo nome que seu pai (Gn. 26.18) devido à descoberta de água no dia que o juramento (shaba) foi feito. Para Abraão aquele era o “poço do sete”, mas para Isaque aquele era o “poço do juramento”, ambas as ideias são expressas pelo mesmo nome, “Berseba”. (2)

A palavra Shibah (sib’â, sete) é uma variante de sheba; (cf. AA: “Seba”). Quer se trate do poço de Abraão, agora reaberto (21:30,31; cf. 26:18), quer de outro (cf. Js. 19:2?), o nome Berseba passa agora a comemorar dois compromissos diferentes. (3)

Sobre o nome Abimeleque e Ficol, Derek-Kidner, afirma que dar o nome do avô (“avitonímia”) foi costume em várias épocas. E detalha esse costume na civilização egípcia nos seguintes termos: “a casa real e uma família de governo provincial mantiveram esta norma lado a lado por quatro gerações, de modo que Ammenemes I nomeou Khnumhotep 1, e seu neto Ammenemes IInom e ou Khnumhotep II. Alternando com eles, Sesóstris I e II nomearam Nakht I e II, e certas negociações se repetiam também. Não obstante, estas não constituem conteúdos literários duplicados”. (4)

Conclusão:

Cavar poços não é tarefa das mais fáceis, requer técnica apurada, pois deve haver perícia na procura, no uso dos instrumentos, desde o mais primitivo, como varinhas em forma de “v” até aos sistemas mais avançados de sondas que pescrutam as cavidades da terra. A Bíblia cita no livro do profeta Jeremias que o povo de Deus (Israel) fizera duas maldades: a) “deixaram a Mim, o Manancial de Águas Vivas”; e b) “cavaram para si cisternas rotas, que não podem conter as águas” (Jr. 2.12,13). Na verdade, o Senhor expressa sua indignação, exclamando: “Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos”. O problema de quem cava cisterna que não pode conter as águas, é enlamear as águas limpas com a lama espalhada por seus próprios pés.

Continuemos cavando nossos poços sem jamais desanimar, mesmo que tenhamos oposição do adversário ou obstáculos por conta das circunstâncias e intempéries da vida, pois o Senhor tem água limpa e pura. Ele faz um convite aos sedentos em Is. 55.1: “ó vós todos que tendes sede, vinde às águas…”.

Temos em Ez. 47, o convite para entrar em um rio de águas purificadoras que saram todas as enfermidades.

Temos nos evangelhos e em Cristo a fonte duradoura que jorra água para vida eterna (Jo.4) e que corre no interior dos que creem conforme as Escrituras (Jo. 7).

Temos na Cruz, a fonte da Redenção, do Perdão e da Reconciliação com Deus (Mt. 27; Mc. 15; Lc. 23. Jo. 19).

Cantemos: “Sobe, poço, brota poço”.

Pr. Guedes


Breve bibliografia:

(1) Pero Vaz de Caminha, trecho da carta escrita ao rei de Portugal, Dom Manuel, sobre o Brasil.

(2) Davidson, F., O Novo Comentário da Bíblia, Ed. Vida Nova, 1997, p. 165

(3) Kidner, Derek, Série Cultura Bíblica, Gênesis, Ed. Vida Nova, 2001, p, 144.

(4) Id., 2001, p. 143


Nenhum comentário: