quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

QUANTO VALE UM FRANCÊS? E UM SÍRIO, UM PALESTINO, UM JUDEU, UM NIGERIANO?



Quanto vale uma vida?

Resolvi escrever e publicar essa postagem depois que li a sensata matéria de um amigo blogueiro que cito no texto.

Tenho acompanhado nos noticiários a grande comoção e mobilização dos habitantes do mundo civilizado em solidariedade aos jornalistas franceses mortos em um ataque covarde, como é todo ataque terrorista. Multidões caminham nas ruas, acampam em frente a monumentos históricos, carregam faixas com frases humanitárias e politicamente corretas. O movimento em favor dos jornalistas franceses é tido como o maior ou um dos maiores na França. Também sou solidário ao movimento contra o terror e contra o fundamentalismo e extremismo islâmico, unindo minha voz à voz das multidões que tomam conta das ruas na Europa e no mundo. Todavia, não via nenhuma marcante multidão saindo às ruas em favor dos cristãos mortos, fuzilados, decapitados, crucificados, pelo Estado Islâmico na Síria em partes do Iraque, denunciado aqui nesse blog. Também não vi nenhuma grande comoção com a morte de cerca de 2.000 nigerianos nos últimos dias também fruto de ataque covarde.

Quanto vale a alma de um francês e quanto vale a alma de um sírio, de um iraquiano, de um nigeriano, de um palestino, de um judeu...? Li o blog do meu amigo Pastor Anselmo, a Pedra, e compartilho do mesmo sentimento. Um francês vale mais que um nigeriano? Doze franceses valem mais que centenas de milhares de sírios, pelestinos, judeus e cristãos espalhados pelo mundo? Assim como o meu amigo blogueiro, não vi muitas autoridades preocupadas com o futuro dessa gente, não vi uma defesa comovente! Vi, sim, alguns cristãos, pastores, cantores e líderes, defendendo o Estado de Israel confundindo escatologia com amor cristão ao próximo. Também li acerca de uma presidenta querer dialogar com os decapitadores, mas não vi marcha, comoção ou cobertura da mídia.

A hipocrisia e os interesses de milhões de dólares e euros "justificam" e determinam quem é mais importante nessa "guerra". A fome na África, a pobreza no Haiti e nas Filipinas, os horrores das guerras da Síria e da Nigéria, entre outras, não comovem os países ricos, nem a imprensa internacional e nem a maioria dos que se dizem cristãos. Enquanto morriam dezenas de milhares na Nigéria, o mundo, a mídia, cobria a escolha dos melhores do futebol no ano de 2014. Com pompa hollywoodiana, o Sr. Blatter, a apresentadora e seus convidados, entregavam a premiação para os melhores da FIFA. Nada contra, pois os melhores merecem troféus, contudo, esse contraste representa a mais pura dessemelhança entre dois mundos e duas realidades diferentes.

Fica aqui meu desabafo contra as injustiças em uma sociedade anti-Deus que se pretende justa na causa dos franceses, mas faz vistas grossas na morte de centenas de milhares na África e na Ásia.

Em tempo: é essa mesma sociedade ateísta que aí está que sai às ruas para a retirada de imagens cristãs nos grandes centros, como aconteceu na Carolina do Norte; é essa mesma sociedade, cujas autoridades exoneram os que defendem o casamento heterossexual e a família, como aconteceu em Atlanta, nos EUA. Essa sociedade que sai às ruas para combater o terrorismo é a mesmíssima que sai às praças para combater os valores da família e defender o casamento de pessoas do mesmo sexo.

Acordemos!!!


Maranata, ora vem Senhor Jesus!!!

8 comentários:

Anselmo Melo disse...

Meu querido amigo Pr Guedes. Quanto tempo não nos falamos.
Que coisa horrível é essa que temos presenciado.Essas barbaridades tem se tornado cada vez mais comuns, assim como é comum o descaso com tanta crueldade praticada por esses servos de satã.Até quando a vida de um ser humano será medida pela cor de sua pele, sua classe social ou sua nacionalidade?O mundo está mesmo ao avesso.
Um grande abraço.

Edson Alves disse...

Caro Pastor Guedes, compartilho do mesmo sentimento.

Pastor Guedes disse...

Caro Pr. Anselmo, a Paz do Senhor!

Verdade. Há muito tempo não nos falamos, mas comungamos da mesma ótica enquanto alguns não conseguem enxergar a sutil orquestração do mal no mundo, seja através dos terroristas, seja através do discurso aparentemente correto.

Grande Abraço.

Pastor Guedes disse...

Caro Edson Ales, a Paz!

Amém, Amado. Vamos orar por essa gente.

Forte Abraço.

Pastor Guedes disse...

Pastor Anselmo, em tempo: li seu texto e fiz referência ao texto e ao seu nome aqui.

A Paz!

Carmen Correia disse...


A paz pastor Guedes!

Compactuo do mesmo sentimento de indignação, assim como de compaixão em relação a Igreja Perseguida no mundo.
Meu anseio é que Cristo nos faça valorosos e fieis nesta geração, e que nosso clamor chegue até Ele como cheiro suave! Dias difíceis esses!

Joao Cruzue disse...

Pastor Guedes,

A França é o berço da Liberdade, Igualdade e Fraternidade. O próprio Charb, editor do Charlie Hebdo dizia do seu jornal que ele éra uma publicação irresponsável. E era mesmo. Fizeram uma caricatura de Maomé, pelado e de quatro. Uma outra caricatura da Trindade Cristã, como um bonde funck, com Jesus pelado e o restante não posso dizer - só olhando na imagem para ver o tamanho da irresponsabilidade. Cristãos jã não matam mais por religião, mas muçulmanos, sim. Mexeram com uma casa de marimbondos e levaram bala. Aí, a civilização está protestando contra esta brutal barbaridade. Cada cultura tem sua idiossincrasia do que seja barbaridade. Ponto. Pessoalmente, acho que depois disso, podemos ter dias de mais de "respeiyo", isto é, medo.

Pastor Guedes disse...

Caro Irmão João Cruzué, a Paz!

Obrigado pelo seu comentário sempre tão sensato e inteligente.

A França ganhou a mística de que tudo que é importante tem que acontecer por lá, se iniciar em terras francesas e, principalmente, na soberba Paris. Por isso a importância tamanha ao fato que, diga-se, é realmente brutal, porém, muitas e piores atrocidades são cometidas em todo o mundo árabe e islâmico em nome de Maomé e a imprensa internacional faz vistas grossas.

Vamos orar e vigiar, pois os dias que se aproximam são de maior trevas e medo.

Abração.