sexta-feira, 31 de julho de 2015

DELATOR AFIRMA TER REPASSADO R$ 125 MIL PARA A ASSEMBLEIA DE DEUS DE MADUREIRA NA OPERAÇÃO LAVA JATO

Julio Camargo. Foto: Reprodução
O lobista e delator da Lava Jato Júlio Camargo repassou R$ 125 mil para a igreja evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira, em Campinas (SP). A informação consta da quebra de sigilo bancário da empresa Treviso, utilizada por Camargo para repassar propinas no esquema de corrupção na Petrobrás revelado pela Lava Jato. Nem o pastor da igreja nem a defesa de Júlio Camargo, que negou que ele seja evangélico, quiseram dar explicações sobre o repasse.
Laudo da Polícia Federal aponta que a quantia foi repassada entre 2008 e 2014, sem detalhar se o valor foi pago de uma só vez ou em parcelas. A movimentação é a única feita no período pelas duas empresas de Júlio Camargo (Piemonte e Treviso) que teve como destino uma instituição religiosa.
O repasse mostra que o delator que disse à Justiça ter sido pressionado pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a pagar propina de US$ 5 milhões, também repassou dinheiro para uma igreja simpática ao deputado expoente da bancada evangélica. O parlamentar é um dos políticos alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal por suspeita de envolvimento no esquema de propinas na Petrobrás revelado pela Lava Jato.
imagemdestinatáriotreviso
‘Igreja Evangélica Assembleia de Deus’, nome registrado da Assembleia de Deus Madureira em Campinas (SP)
Culto. Em fevereiro deste ano, Cunha chegou a participar de um culto de mais de duas horas em comemoração a sua eleição para a Presidência da Câmara junto com outros políticos na Assembleia de Deus Madureira, no Rio de Janeiro. Na ocasião ele declarou ter trocado a Igreja Sara Nossa Terra pela Assembleia de Deus Madureira. A bancada evangélica foi uma das que mais apoiou Cunha na eleição para a Presidência da Câmara.
cunhaassembleia
Eduardo Cunha durante culto na Assembleia de Deus Madureira no Rio em comemoração a sua vitória na disputa para a Presidência da Câmara. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão
O presidente da Assembleia de Deus Madureira no Rio, pastor Abner Ferreira, contemplou o presidente da Câmara no culto. “O Satanás teve que recolher cada uma das ferramentas preparadas contra nós. Nosso irmão em Cristo é o terceiro homem mais importante da República”, disse o religioso na época. Abner Ferreira é irmão do pastor Samuel Ferreira, que preside a Assembleia de Deus no Brás, em São Paulo, e aparece no registro da Receita Federal como presidente da Assembleia de Deus Madureira em Campinas, que recebeu os R$ 125 mil da empresa de Júlio Camargo.
Réu na Lava Jato, Júlio Camargo fez acordo de delação e admitiu a existência do cartel de empreiteiras que atuava na Petrobrás e também ter utilizado suas empresas para operar propinas aos executivos da estatal indicados por partidos políticos.  Após dizer à Justiça que Cunha era destinatário da propina de US$ 5 milhões, a advogada de Júlio Camargo Beatriz Catta Preta deixou todos os seus clientes da Lava Jato, um total de nove delatores, e disse nesta quinta ao Estadoque decidiu abandonar a advocacia, pois vinha sendo ameaçada “insistentemente”.
As empresas de Júlio também fizeram doações oficiais para campanhas de políticos em 2010 e 2012 que totalizaram R$ 1 milhão. Dentre os que receberam recursos estão o líder do governo no Senado Delcídio Amaral, que recebeu R$ 200 mil em 2010, e a senadora Marta Suplicy (sem partido) que recebeu R$ 100 mil também em 2010. Também foram feitas doações de R$ 150 mil ao diretório nacional do PMDB.
COM A PALAVRA, A DEFESA
A reportagem entrou em contato com a assessoria do pastor Samuel Ferreira, que informou que ele não iria se manifestar sobre o caso. A defesa de Júlio Camargo afirmou que ele não é evangélico, mas também não quis comentar a transação.
A reportagem também telefonou para o celular de Eduardo Cunha, que não atendeu.]
FONTE: http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/delator-que-acusou-cunha-tambem-fez-repasse-a-assembleia-de-deus/

sexta-feira, 24 de julho de 2015

PR. JOSÉ NECO PARTIU PARA A ETERNIDADE

NOTA DE FALECIMENTO - Pr. José Antônio dos Santos - Pr. José Neco - Maceió - AL - 24.07.2015


NOTA DE FALECIMENTO


É com muito pesar que registro neste momento o falecimento do querido pastor José Antônio dos Santos, carinhosamente mais conhecido como Pastor Zé Neco. 

Nascido em 05 de dezembro de 1931, aos 84 anos ele liderava a Convenção de Ministros e as Assembleias de Deus no Estado de Alagoas além de Presidir a UMADENE - União de Ministros das Assembleias de Deus do Nordeste e ocupar a 4º Vice-Presidência da CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB)

O pastor José Neco presidiu a igreja alagoana por 29 anos. Hoje pela manhã o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da CGADB, lamentou a morte do ministro de Alagoas. Ele disse que o pastor Neco era o apostolo das Assembleias de Deus no Nordeste e que perdeu um grande amigo.

Conforme comunicado emitido na noite de ontem (23), o pastor José Antônio, internado desde o início de julho no Hospital Santa Paula, na região de Santo Amaro (SP), foi submetido a uma intervenção cirúrgica.
Pastor Neco faleceu na manhã desta sexta-feira, 24 de julho, as 10h35 min no Hospital Santa Paula, região central de São Paulo, onde estava internado por complicações em sua saúde.

O corpo será levado para Maceió ainda hoje, onde será sepultado. 

FONTE:http://www.pointrhema.com.br/2015/07/nota-de-falecimento-pr-jose-antonio-dos.html

sexta-feira, 10 de julho de 2015

O PAPA NÃO ME REPRESENTA

O cardeal argentino Jorge Bergoglio recebe de Morales o símbolo do comunismo com o Cristo: sujando as mãos com o sangue de 150 milhões de crucificados
POR REINALDO AZEVEDO DA VEJA.

Sou católico, mas o papa Francisco não me representa. Sei que, em certa medida, a afirmação soa absurda, mas vou fazer o quê? Eu poderia fazer uma graça e dizer que, existindo, como existe, um papa emérito, Bento XVI, tenho a chance de escolher. Mas, evidentemente, isso não contenta. O chefe da Igreja Católica, infelizmente, é o argentino Jorge Bergoglio. Quem recorrer ao arquivo poderá constatar que ele nunca me encantou.
Evo Morales, o protoditador da Bolívia, presenteou o sumo pontífice com uma monstruosidade herética: a foice e o martelo do comunismo, onde estava o Deus crucificado. Bergoglio fez um muxoxo protocolar, mas sujou as mãos no sangue de 150 milhões de pessoas. Ao fazê-lo, (re)rencruou as chagas de Cristo e se alinhou, lamento ter de dizer isto, com aqueles que O crucificaram.
“Ah, o papa não tem nada com isso! Não tinha como saber o que faria aquele picareta!” Ah, não cola! A Igreja Católica de Roma está banida da China, por exemplo. Ficou na clandestinidade na União Soviética e nos países da Cortina de Ferro. Inexiste na Coreia do Norte e enfrenta sérias dificuldades em Cuba. Um delinquente político e intelectual como Morales não pode ofender moralmente mais de um bilhão de católicos com aquela expressão demoníaca. O papa que recusasse a ofensa. Mas ele não recusou. E foi além.
Em Santa Cruz de la Sierra, nesta quinta, Bergoglio fez um discurso que poderia rivalizar com o de Kim Jong-un, aquele gordinho tarado que tiraniza a Coreia do Norte. Atacou o capitalismo, um “sistema que impôs a lógica dos lucros a qualquer custo, sem pensar na exclusão social ou na destruição da natureza”, segundo ele. E foi além: “Digamos sem medo: queremos uma mudança real, uma mudança de estruturas. Este sistema já não se aguenta, os camponeses, trabalhadores, as comunidades e os povos tampouco o aguentam. Tampouco o aguenta a Terra, a irmã Mãe Terra, como dizia são Francisco”.
É de embrulhar o estômago. Em primeiro lugar, esse papa, com formação teológica de cura de aldeia, não tem competência teórica e vivência prática para cuidar desse assunto. Em segundo lugar, os movimentos que hoje lutam pela preservação do planeta são exclusivos de regimes democráticos, onde vige o capitalismo. Ou este senhor poderia fazer essa pregação na China, por exemplo, onde o capitalismo de estado é gerido pelo Partido Comunista?
Pior: o papa está numa jornada que inclui o Equador e a Bolívia, duas protoditaduras que, na pegada da Venezuela, instrumentalizam o discurso anticapitalista para dar força a milícias que violam direitos individuais e que não reconhecem a propriedade privada como motor do desenvolvimento.
Evocando um igualitarismo pedestre, disse Sua, não mais minha, Santidade: “A distribuição justa dos frutos da terra e do trabalho humano é dever moral. Para os cristãos, um mandamento. Trata-se de devolver aos pobres o que lhes pertence”. A fala agride a lógica por princípio. Se o tal “que” pertencesse aos pobres, pobres não seriam. A fala repercute a noção essencialmente criminosa de que toda a propriedade é um roubo. Como esquecer que essa concepção de mundo de que fala o papa já governou quase a metade do mundo e produziu atraso, miséria e morte?
Eu já tinha tido cá alguns engulhos quando, recentemente, o cardeal argentino resolveu se meter a falar sobre a preservação da natureza, com uma linguagem e uma abordagem que lembravam o movimento hippie da década de 60. Ele voltou ao ponto: “Não se pode permitir que certos interesses — globais, mas não universais — submetam Estados e organismos internacionais e continuem destruindo a Criação”.
Como? O homem destruindo a Criação? O catolicismo de Francisco, na hipótese benevolente, se esgota numa leitura pobre do Gênesis. Na não benevolente, é apenas uma expressão do trogloditismo de patetas terceiro-mundistas como Rafael Correa, Evo Morales, Nicolás Maduro e Cristina Kirchner.
O próximo papa, por favor!
Por Reinaldo Azevedo

FONTE: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/bergoglio-o-dito-papa-francisco-nao-me-representa-ou-o-sangue-de-cristo-e-de-150-milhoes-de-vitimas-do-comunismo/

sexta-feira, 26 de junho de 2015

APROVADO O CASAMENTO GAY EM TODO TERRITÓRIO AMERICANO

Defensores do casamento gay comemoram em frente à Suprema Corte em Washington, nos EUA, após aprovação do casamento de casais do mesmo sexo pela constituição. Com o resultado o casamento será legalizado em todos os 50 estados (Foto: Joshua Roberts/Reuters)
A Suprema Corte americana votou nesta sexta-feira (26) a aprovação do direito de casais do mesmo sexo se casarem pela Constituição, uma vitória para o movimento pelos direitos homossexuais no país.
O presidente americano, Barack Obama, disse no Twitter que a aprovação é um grande passo para a igualdade de direitos. "Casais de gays e lésbicas têm agora o direito de se casar, como todas as outras pessoas. #Oamorvence", disse o presidente. Ele fez um pronunciamento e disse que a decisão é uma "vitória para a América".A Corte aprovou por cinco votos a quatro a garantia do matrimônio pela Constituição, o que significa que os estados não podem mais barrar os casamentos entre homossexuais. Com a votação, o casamento será legalizado em todos os 50 estados. 
A pré-candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton, também comemorou a decisão em seu perfil na rede social.

FONTE: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/06/suprema-corte-dos-eua-aprova-o-casamento-gay-nacionalmente.html

O PAPA DEMONSTRA SUA PREFERÊNCIA PELA PALESTINA ATRAVÉS DE ACORDO BILATERAL HISTÓRICO

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, cumprimenta o papa Francisco

A Santa Sé e o "Estado da Palestina" assinaram nesta sexta-feira (26) um histórico acordo sobre os direitos da Igreja católica nos territórios palestinos, anunciou o Vaticano em um comunicado.

A preparação deste texto por uma comissão bilateral levou 15 anos. Embora o Vaticano se refira ao "Estado da Palestina" desde o início de 2013, os palestinos consideram que a assinatura do acordo equivale a um reconhecimento de fato de seu Estado, o que irrita Israel.

O acordo foi assinado no Palácio pontifício pelo secretário para as relações com os Estados (ministro das Relações Exteriores), pelo prelado britânico Paul Richard Gallagher e pelo ministro palestino de Relações Exteriores, Riyad al-Maliki.

O acordo expressa o apoio do Vaticano a uma solução "do conflito entre israelenses e palestinos no âmbito da fórmula de dois Estados", havia explicado em maio o monsenhor Antoine Camilleri, chefe da delegação da Santa Sé.

Para a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), este acordo converte o Vaticano no 136º país a reconhecer o Estado da Palestina.

Para Israel, por sua vez, "uma decisão como essa não faz o processo de paz avançar e afasta a direção palestina das negociações bilaterais".

A Santa Sé tem relações com Israel desde 1993. Negocia desde 1999 um acordo sobre os direitos jurídicos e patrimoniais das congregações católicas no Estado hebreu, mas cada reunião semestral termina com um fracasso.

FONTE: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2015/06/26/vaticano-e-palestina-assinam-primeiro-e-historico-acordo.htm