quinta-feira, 18 de julho de 2013

A ASSEMBLEIA DE DEUS MUDOU

Muitos têm escrito sobre isso e não quero afrontar o texto ou o pensamento de ninguém. Para mim a igreja nasceu em 12 de setembro de 1982, quando conheci o senhorio do Senhor Jesus. Que dia memorável! Passados 30 anos e não consigo esquecer a noite daquele dia. Cada detalhe está registrado na minha memória como se fossem imagens fresquíssimas. Por falar em memória, muitas são as lembranças daqueles tempos em que ouvia-se melhor louvor e a mensagem da Cruz era a tônica, seguida da doutrina da santificação e esperança da Vinda de Jesus. Que boas lembranças das manifestações espirituais genuínas regadas de comoção verdadeira em um universo e ambiente cheios de temor a Deus e de santa obediência por amor.

Não sou capaz de descrever o que ocorreu nos outros cerca de 70 anos passados desde 1982, mas o que ouço dos velhinhos que conheceram os missionários e os receberam em suas casas, do modo como procediam e do modo como nossa igreja cresceu é de tirar o fôlego! Quem viu e ouviu, como eu, Alcebíades Pereira Vasconcelos e Eurico Bergsten ensinando acerca da Bíblia, da Doutrina e Teologia Pentecostal sabe do que estou falando. Não é para se comparar com os “doutores” arrogantes em muitos de nossos congressos. Havia graça abundante nesses homens e havia um comprometimento que hoje não se vê facilmente. Sobejavam em carisma, unção, sabedoria e humildade.

Rejeito o rótulo de saudosista, pois tenho pregado e ensinado em diversos lugares que amo a igreja do meu tempo. É a melhor igreja de todos os tempos, pois é a minha igreja! Todavia, os dons eram mais abundantes no passado, as profecias eram verdadeiras e cumpriam-se cabalmente. Já nos primeiros dias de minha conversão, ouvia dos mais espirituais: “Haverá um tempo em que não teremos essa liberdade espiritual que temos hoje, por isso devemos aproveitar bem esse tempo para orar e buscar ao Senhor”. Eles estavam certos. Eu pensava que faziam referência à perseguição, mas falavam de apatia espiritual. Hoje alcançamos praticamente todo o país, somos ricos e temos uma igreja grande, forte e influente. Temos representantes em todas as esferas do poder; ótima aparelhagem de som e ótimos profissionais nessa área; templos grandes e suntuosos, com estacionamentos amplos, berçário; equipes de TV e mídia; grandes pregadores e excelentes cantores. Todavia, temos muita técnica, muitos talentos e pouquíssima inspiração. Claro que há exceções.

Tenho contato com muitas pessoas que admiram minha igreja porque foram assembleianos um dia, outro tanto que gosta dela porque seus pais são de lá, mas resolveram seguir outra igreja porque a “bléia” (expressão deles) é muito rígida e não conseguiram seguir os usos e os costumes, etc. Outros ainda saíram por conta de escândalos regionais e divisões. Que pena! Perdemos tantos membros! Muitos deles ingressaram em igrejas descompromissadas, sem um histórico doutrinário e ficaram à deriva sem saber em que crerem e muitos nem sabem explicar a razão de sua fé. Lembra bem o diálogo de Jesus com a samaritana: “Vós adorais o que não sabeis”. Vamos pagar por isso, aliás, já estamos pagando! Contudo, muitos outros se sentem felizes em suas novas denominações, o que devemos respeitar. E o que falar de igrejas fundadas por pastores que saíram da gloriosa Assembleia de Deus e estão crescendo com Graça?

Sim, mudamos! E poderíamos falar sobre mudanças de outras naturezas... Mas, aí teríamos que escrever um livro. 

Amo minha igreja, porém, será que está valendo a pena ser grande, rico, importante, influente e não ter o carisma de nossos pais? De fato o que me preocupa não é tanto o presente, mas o futuro dessa igreja tão abençoada! Penso que seria melhor discutirmos o que será dessa igreja nos próximos cem anos e o que poderíamos fazer com relação à Igreja de nossos filhos, as novas gerações! 

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

4 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Guedes,

A paz amado!

Ler a sua matéria me provoca a tristeza, quando em pensamento com a voz do coração me projeto ao momento que em uma Assembléia de Deus, que não é mais a mesma, pude pela ação do Espírito Santo na vida de verdadeiros instrumentos de Deus, aceitar e reconhecer o Senhor Jesus Cristo como o meu ùnico Salvador.

Foram momentos preciosos em minha vida, e posso afirmar que, se viversse na época atual, não teria o mesmo procedimento.

É risível e visível o descaminho tomado por esta nossa denominação que se deixa levar por ondas de HERESIAS, como o preocupante evento conhecido como o Grande Encontro dos Gideões em Camboriú.

Triste saber que poucos evoluiram a consenso para criticar com veemência este estrondoso e mentiroso estágio da igreja, por medo, ou falta de conhecimento bíblico as evoluções deste improdígio momento chamado de espiritual e com lascas de poder.

Durante anos suportei problemas com a minha barba, que transformou-se em um cavanhaque branco.

As mulheres não podiam fazer a sua higiene para permanecerem mulheres e hoje, descaradamente, as aceitam como pastoras e permitem em muitas igrejas que os homens utilizem o brinco. Sim, o mesmo proibido às mulheres, bem como, o tratamento do cabelo.

As diferenças são grandes e provocaram equívocos que processam a confusão pela infusão de HERESIAS.

Eliminaram doutrinas de homens e aplicaram doutrinas de demônios, como no evento citado acima.

Triste verificarmos que os candidatos disputantes ao comando da CGADB, pensam-se possuídores das orientações do Espírito Santo e simultaneamente provocam a indignação do mesmo onde falta a oração interessada nos desígnios de Deus.

Esta é a proposta equivocada na comemoração dos 100 anos das ADs no Brasil.

Deveriam de todas as formas provocar uma maior perspectiva para as ADS no Brasil, e o interesse pleno em traduzir o que passa no Brasil com as muitas igrejas, que não mais estão atentas para a pregação do Evangelho com Simplicidade.

O interesses é maior na aquisição de poder. Cada vez mais poder dos homens e menos poder de Deus.

Algumas igrejas ADs de brasileiros nos EUA, abriram as portas para muitas HERESIAS, como as vistas na igreja do pr. Uriel de Jesus e pouco questionadas como a presença do mesmo pastor nos eventos do HERÉTICO movimento de Camboriú.

Não há mais desprezo pelos que trocam suas esposas mais velhas por esposa mais nova.

Não há mais o interesse no caráter do líder, mas, no estímulo de positivismo que ele possa doar aos seus seguidores.

Deixaram de seguir ao Senhor Jesus Cristo para seguirem a enganadores.

Existe no Brasil um pastor brasileiro da Flórida que renunciou ao casamento de mais de 30 anos por uma vida no Brasil com uma nova esposa de pouco mais de 30 anos de idade.

Existe um outro pastor presidente de uma AD na Flórida que largou a sua esposa no Brasil e casou-se novamente na Flórida. Triste, o mesmo foi deportado por estar ilegual.

As histórias são muitas e a experiência me transforma em um sintomático da responsabilidade que me impulsiona a entender que agradar a muitos prejudica aos poucos que necessitam ouvir e crescer na verdade com o ensino do verdadeiro evangelho que produz coerência com a Palavra de Deus.

O Senhor seja contigo,

O menor dos teus irmãos.

Pastor Guedes disse...

Caro Pr e servo Carpinteiro, a Paz!

Obrigado por comentar aqui no blog seu pensamento a cerca das muitas mudanças na AD.

De fato, todas essas coisas contribuem para o decréscimo espiritual e moral de nossas igrejas.

Fica aqui assegurado seu direito de expressar sua indignação.

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

rogerio da silva de carvalho disse...

a igreja do sr. jesus esta sendo perseguida e poucos cristãos estão se preparando para o encontro do noivo.

maestrorosembar disse...

Prezados, a igreja mudou porque a cabeça dos seus líderes mudaram.Hoje não irá mais se falar em doutrina em um mundo capitalista, que membro em igreja é dinheiro em caixa. Então vamos morrer discutindo esta questão e nunca vamos saber se os versículos que colocaram como base para exclusão de membros eram verídicos ou não se havia conhecimento bíblico o bastante para escrever tal coisas. Os textos para exclusão estão desde Deuteronômio chegando ao novo testamento com palavras de Paulo e Pedro. Hoje isto é esquecido, as palavras deles já não valem mais para a doutrina da igreja, se eu falar muito em doutrinas, perco membros, se perder membros perco dinheiro, a salvação é individual, então cada um por si.e não esqueçam as ofertas e dízimos pois preciso pagar minhas contas e viajar de avião no final do ano com minha família. Fico indignado com isto, me entristeço, mais é a pura realizada da igreja hoje. Pastores ou bodes, eis a questão. Que Deus nos ajude.
obrigado.