quinta-feira, 1 de novembro de 2018

ASSEMBLEIA DE DEUS GEDOZISTA?



Depois de ler um  artigo há tempos no blog de um pastor amigo e também uma postagem do Point Rhema sobre uma Assembleia de Deus no Paraná que aderiu ao modelo de discipulado gedozista, parei para pensar que a última fronteira do G12 está sendo derrubada e, para nossa tristeza e surpresa, em uma Assembleia de Deus.

Alguém pode argumentar que não se trata do G12, mas do MDA (Modelo de Discipulado Apostólico). Todavia, amados, mudam-se as siglas, mas as práticas, liturgias e argumentos são os mesmos: ENCONTRO, REENCONTRO, PÓS-ENCONTRO, DECRETOS, AMARRAÇÕES, ATOS PROFÉTICOS, UNÇÃO TREMENDA, ENTRE OUTRAS COISAS.

Nada contra o trabalho em células em si, pois muitas igrejas têm crescido através desse modelo de evangelização, contudo, o que se vê não passa de um G12 Camaleônico, que mudas as cores, mas não a natureza. São ministérios abertos para medição de força e de poder, mas a visão é a mesma e as heresias, idem.

As placas denominacionais mudam em função da dissimulação a fim de não serem identificados com o Movimento tão condenado pelas próprias Assembleias de Deus, porém, as práticas são as mesmíssimas e esse sincretismo religioso, associado à falta de verdadeiros apologistas, traz um verdadeiro descrédito à verdadeira mensagem da cruz.

Enquanto nossos escritores estão profundamente preocupados com suas vendas em portas de templos, em um mercado já condenado por Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja vem sofrendo o ataque dessas "igrejas" na mídia. Isso por que os defensores da fé cristã estão se vendendo aos grandes sistemas eclesiásticos, os superministérios, e esquecendo-se de colocar o pé na estrada. A fama e o pódio nas casas publicadoras falam mais alto que o cuidado com a fé e com os irmãos na fé. Cuidam que Deus fará as suas obras chegarem ao seu público, sendo assim, o Senhor o responsável por levará a sua literatura "clássica" às mãos daqueles que hão de herdar a salvação.

Abramos os nossos olhos. As heresias mudam de nome, mas não mudam o modus operandi e nem a sua natureza anti-escriturística. As Assembleias de Deus já teve no rol de escritores e defensores da fé pessoas mais comprometidas com a Palavra de Deus.

Ainda ontem comemorou-se 501 anos da Reforma Protestante e as Cinco Solas estão caindo no esquecimento dos assembleianos. Por que daríamos a vida pela verdade como Lutero, Calvino e outros, se podemos gozar do auge de nossa fama e riqueza?

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.

Nenhum comentário: