sábado, 31 de outubro de 2015

95 NOVAS TESES PARA UMA REFORMA DA IGREJA EVANGÉLICA BRASILEIRA

Resultado de imagem para REFORMA IGREJA URGENTE
Junte-se a nós, e diga não! A esse sistema religioso evangélico megalômano, explorador e manipulador de mentes e corações, que se aproveita da pobreza do povo brasileiro para explorar sua fé, que só cresce através do poder da mídia, e não pelo mover do Espírito Santo de Deus. Agora, unidos, vamos juntos fazer parte da história, dando início à REFORMA EVANGÉLICA NO BRASIL, e mostrar ao mundo a nossa indignação, onde não aceitamos que a segunda maior população cristã do mundo, com mais de 50 milhões só de evangélicos, seja manipulada por líderes religiosos interesseiros que se apropriam do Evangelho de Jesus Cristo para aumentar suas fortunas e desdenhar da população. E assim como a revolução protestante surgiu na Alemanha no século XVI, a REVOLUÇÃO EVANGÉLICA começa hoje, aqui no Brasil, por mim e por você em pleno século XXI.
Seja um divulgador consciente, leia e use todos os seus recursos de mídias sociais; cole nos muros das igrejas, nos pátios, nos postes, onde você achar mais conveniente, e ajude a divulgar as 95 teses da REVOLUÇÃO EVANGÉLICA NO BRASIL.

95 TESES

  Repúdio às organizações cristãs comerciais denominadas de igrejas evangélicas, administradas por gerentes ao invés de pastores.

   Repúdio à teologia da prosperidade que transforma igrejas em empresas, e fiéis em clientes.

  Repúdio aos Pastores e organizações que estelionatariamente se apossaram das referências bíblicas concernentes aos dízimos e ofertas do Antigo Testamento para exploração da fé.

   Digo não a todos esses evangélicos que precisam de cabrestos, que não sabem ser livres e não conseguem caminhar com princípios, pois já se acomodaram com uma existência sob o domínio da lei e não do amor.

   Digo não às quatro paredes das igrejas, que caracterizam um evangelho limitado, por um evangelho livre em Cristo Jesus, nas ruas, becos e valados.

   Digo não a esses líderes religiosos tão despreparados da verdadeira palavra de Deus e dependentes de líderes inescrupulosos, que não conseguem nem alimentar mais as ovelhas, deixando lhes faltar até mesmo o pão nosso de cada dia.

   Digo não ao enriquecimento de líderes, pastores, bispos e apóstolos, em detrimento do empobrecimento espiritual, cultural e financeiro do povo que sofre.

   Repúdio ao culto que se faz ao monte Sinai mostrado por meio da televisão que cria caminhos para a escravidão.

   Digo não a todos os líderes religiosos que levam o povo para debaixo do julgo da lei, quando se ressuscitam todas as maldições do velho testamento que morreram na cruz, quando Jesus se fez maldição em nosso lugar.

10º Digo não aos líderes evangélicos que fazem da palavra do Senhor, e dos seus templos, uma porta de entrada para um mercado tão rentável, que se torna melhor do que vender droga.

11º Repúdio a todos os cristãos que não aceitam que a lei morreu em Cristo, conforme diz a palavra, sendo que essa mesma palavra afirma que ela existe apenas para gerar culpa e morte.

12º Repúdio a todos que sabem, mas que nada dizem; vêem, mas nada demonstram; discernem, mas em nada confrontam; conhecem, mas tratam como se nada tivesse conseqüências.

13º Repúdio a todos que pregam o método de crescimento de igreja, e não a Palavra; os que convidam para a igreja, e não mais para Jesus; os que afirmam “Eu sou da igreja tal”, ao invés de dizer: “ Eu sou de Jesus”.

14º Repúdio a todos aqueles que desconhecendo o verdadeiro evangelho consideram o “novo mover”, a mudança na moda da igreja que acontece a cada cinco anos.

15º Repúdio a todos os pastores que reconhecem e concordam com a verdade dita pelos outros, mas que eles não têm coragem de botar a cara para apanhar, mesmo que seja pela verdade e pela justiça do evangelho do reino de Deus.

16º Repúdio a essa "diabose" que nos distancia da graça, da centralidade da cruz, onde tudo foi consumado. Que todos voltem à consciência de que fomos achados por Ele, que começou em cada filho Seu, algo que vai completar.

17º Digo não aos evangélicos que perderam a convicção de que ser cristão é amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, ao invés de se sentirem membros de um sindicato, de um clube, ou de uma sociedade anônima.

18º Repúdio a todos os homens e mulheres, velhos e adultos que brincam com o nome de Deus, posando de pastores, pastoras, bispos, bispas, apóstolos e apóstolas, sendo que eles mesmos não se enxergam, e não percebem o espetáculo patético no qual se tornaram, e o ridículo de suas aspirações messiânicas estereotipadas e vazias do Espírito.

19º Repúdio aos teólogos que se contentam em reproduzir o que outros escreveram há séculos. Presos às molduras de suas escolas teológicas, não conseguem admitir que haja outros ângulos de leitura das Escrituras.

20º Digo não a todos os que tratam Jesus como “poder maior” e não como único poder verdadeiro.

21º Repúdio à forma como o diabo é glorificado, pela freqüência com a qual se menciona o seu nome nos cultos, sendo que Paulo dele falou menos de uma dúzia de vezes em todas as suas cartas, e as alusões que Jesus fez a ele foram mínimas. Pois, pela freqüência com a qual ele é mencionado, ele é crido.

22º Repúdio à mistura mística que se introduziu nos cultos e na vida dos evangélicos, fazendo-os dependentes de objetos, símbolos e amuletos defendidos como bíblicos.

23º Repúdio ao negócio gospel que se instalou dentro das igrejas, e que vive de shows, camisetas e adesivos, enquanto apresenta uma espiritualidade rasa e sem ética.

24º Digo não às orações e jejuns, como fruto de obrigação ou moeda de troca, que estão muito distantes do verdadeiro namoro apaixonado com o Ser amado da alma resgatada.

25º Repúdio à prática psicológica de pastores que, manipulando sons e imagens de TV, se dizem mais perto de Deus, e, por isso, mais preparados para conseguirem aqueles favores de que o povo precisa.

26º Digo não à visão de que o diabo está entronizado como o inimigo de Cristo e o Senhor das Culpas e Medos; por conta disso, a maioria das pessoas sabe apenas do Medo da Lei, e nada acerca da total libertação que temos da Lei e do diabo na Graça de Jesus, que o despojou na Cruz.

27º Repúdios aos que coam o mosquito e engolem o camelo, expulsando pessoas para fora do lugar de culto por causa de comida, bebida, cigarro, roupa, sexualidade, ou catástrofes de existência. Enquanto os mesmos alimentam o povo com maldade, inveja, mentira, politicagem, facções e maldições.

28º Digo não ao discurso repetitivo e absurdo dos que mercadejam a Palavra de Deus, vendendo ilusões para lotar igrejas, usando versículos tirados do Antigo Testamento e que se aplicavam a Israel.

29º Digo não a todas essas possibilidades mágicas e propagandas enganosas que usam o evangelho de Cristo para iludir os que buscam alívio e refúgio para suas almas.

30º Repúdio aos programas de rádio em que os pastores não anunciam mais os conteúdos do evangelho; gastam o tempo alardeando as virtudes de suas próprias instituições.

31º Repúdio aos que pisam na cruz de Cristo, em nome de Jesus, posando de PhD, em retrocesso à Lei e aos sacrifícios.

32º Digo não ao culto da fé na Fé, em vez da fé em Jesus, onde se têm descarados convites em nome de Deus para que se façam novos sacrifícios.

33º Repúdio aos estereótipos pentecostais, pois sem uma visitação nova do Espírito Santo, buscam criar ambientes espirituais com gritos e manifestações emocionais.

34º Repúdio ao silêncio de todos os que se dizem protestantes, que até hoje criticam e ofendem os cultos dos afro-ameríndios por seus sacrifícios, e aceitam o estelionato feito em nome de Jesus, por aqueles que incentivam novos sacrifícios, tornando o sacrifício de Jesus menor e dispensável.

35º Repúdio às infinitas campanhas e correntes de oração que usam amuletos para aumentar a fé, todas visando exclusivamente encher os templos com aqueles que buscam somente os seus próprios interesses.

36º Digo não a todos os que se dizem cristãos, mas que não sabem a diferença brutal entre a fé bíblica e as crendices supersticiosas.

37º Repúdio à leitura simplista que algumas correntes evangélicas fazem da realidade, onde a injustiça social é vista como uma conspiração satânica, e não como fruto de uma construção social perversa.

38º Repúdio a todos que consideram que o sacrifico de Jesus não foi o suficiente, e ainda afirmam que Deus só atende se fizer voto de freqüência ao templo, e dê dinheiro aos sacerdotes do engano e da ganância.

39º Digo não aos evangélicos que não querem enxergar os séculos de preconceitos que dividem a sociedade, nem que existe uma economia perversa privilegiando as elites há séculos.

40º Digo não aos cultos de amarrar demônios ou de desfazer as maldições que pairam sobre o Brasil e o mundo, enquanto as ruas estão cheias de injustiçados, desamparados, com fome e sede de alimentos e da justiça de Deus.

41º Repúdio aos livros evangélicos traduzidos para o português e que servem de inspiração para os escritores brasileiros, e que nada têm a ver com a realidade do nosso país. Estes, normalmente são livros com dez leis ou vinte e um passos para qualquer coisa.

42º Repúdio aos que se dizem cristãos, mas que não querem aceitar a verdade e desfrutar da verdadeira vida com Deus, que é relacionar-se intensamente na fé e na prática com a Pessoa: Jesus de Nazaré, o Cristo, o Filho do Deus vivo.

43º Digo não aos novos modelos de crescimento de igreja copiados e que vêm sendo adotados no Brasil como uma solução para crescimento imediato, no intuito não de salvar vidas, mas de ganhar maior força política para fazer parte do governo.

44º Repúdio aos eventos e à música gospel medíocre, com poesia sofrível e que não tem nenhuma finalidade de adoração ou louvor a Deus, mas com interesse puramente comercial.

45º Repúdio à teologia da prosperidade que vende uma vida de sucesso aqui na terra, enquanto as almas clamam por uma salvação eterna, e que se revela eficaz, sim, mas somente aos seus proclamadores.

46º Repúdio a todos os líderes evangélicos que fazem com que as pessoas pensem que todos os pastores são gananciosos e que as igrejas existem para enriquecer sua liderança.

47º Repúdio a todos os ministérios megalômanos, onde o povo de Deus é visto como contas a receber, fonte financeira, mão de obra barata ou massa de manobra.

48º Repúdio aos templos, ao institucionalismo, ao denominacionalismo e ao pulpitocentrismo, para que voltemos ao "instruí-vos uns aos outros", sem fórmula de crescimento G5, G8, G10, G12, G24...

49º Repúdio às vaidades religiosas que adoram cargos, posições e títulos, com o único intuito de fazerem conchavos políticos que possibilitem eleições para os altos escalões denominacionais.

50º Digo não à máquina religiosa que fabrica ícones, os quais brigam e se engalfinham pelos primeiros lugares nas festas solenes patrocinadas por gente importante.

51º Repúdio ao evangelho que se diz extravagante, que trás uma mensagem extravagante, um louvor extravagante, e que disfarça a dor material, mas que não consegue esconder a dor da alma.

52º Repúdio aos evangélicos que não têm coragem de romper com as estruturas religiosas que sugam suas energias; que não conseguem voltar ao primeiro amor; e que tentam ganhar o mundo inteiro, enquanto a sua alma clama por salvação.

53º Repúdio aos que banalizam o sentido original do evangelho, fazendo com que, no Brasil, os praticantes e pregadores do Evangelho de Jesus Cristo, sejam apenas mais um membro de um segmento do cristianismo divorciado de Cristo.

54º Repúdio a todos os profissionais da fé que querem ser apenas evangélicos, e não querem se voltar para Jesus Cristo, para a boa nova que Ele é e ensinou.

55º Repúdio à forma como muitos líderes evangélicos manipulam a Palavra de Deus para fazê-la dizer aquilo que interessa à mesquinhez dos gananciosos de púlpito.

56º Repúdio à arrogância dos líderes evangélicos que por gritarem cada vez mais alto e se assemelharem a um apresentador de programa de auditório se acham mais espirituais do que os outros.

57º Repúdio a todos os evangélicos que não têm a consciência de que o Caminho, a Verdade e a Vida é uma pessoa e não um corpo de doutrinas e/ou tradições, nascidas da tentativa de dissecar Deus.

58º Digo não aos estudos e às leituras bíblicas de bibliólatras que não nos fazem ver Jesus Cristo, e sim alimentar uma espiritualidade que se sustenta em milagres e prodígios, no mínimo discutíveis.

59º Repúdio a todos que transformam a mensagem do Evangelho em um guia religioso, no manual da verdade dos cristãos, em mais uma doutrina da Terra.

60º Digo não aos que pensam que possuem a doutrina certa, mas que jamais tiveram a coragem de tentar vivê-la como mergulho existencial de plena confiança, usam-na apenas como guia de bons costumes e de elevados padrões morais.

61º Repúdio às vaidades acadêmicas teológicas com os mestrados e doutorados que apenas enriquecem os currículos e geram uma soberba tola, muitas vezes até se auto-intitulando apóstolos.

62º Repúdio a todos os professores, mestres e doutores de teologia que tentam “estudar Deus”, e ensinar a outros a “anatomia do divino”, ou a buscar analisar Deus como parte de um processo, no qual Deus está aprendendo junto conosco, não sabendo tais “mestres” que são apenas fabricantes de ídolos psicológicos.

63º Repúdio aos evangélicos que ainda não entenderam que amar o seu irmão é relacionar-se com ele como as crianças relacionam-se com os que as alimentam em profundo amor e senso de dependência, sendo um guardião e não um juiz do seu irmão.

64º Digo não ao amor cristão que não agasalha no frio, não assiste na dor, não dessedenta na sede, não alimenta na fome, não reparte, não usa o pronome "nosso", mas, o pronome "meu".

65º Repúdio a todos os instrumentos de manipulação religiosa utilizados pelas igrejas evangélicas para escravizar, em especial as pessoas que mais sofrem e estão abatidas pelo peso de suas culpas.

66º Repúdio às igrejas evangélicas que sobrevivem da exploração de um mecanismo religioso, baseado na culpa, no medo e na ganância.

67º Repúdio aos "pastores", "reverendos", "bispos", "apóstolos", que não aceitam mais serem servos uns dos outros, onde sejam movidos somente pelos dons do Espírito que dão o tom litúrgico da reunião dos Santos.

68º Digo não às igrejas obcecadas pelo crescimento, que adulteram a mensagem do evangelho, tentando substituir a ação do Espírito Santo, que é a de "acrescentar dia a dia os que haverão de ser salvos".

69º Digo não às igrejas que estão ensinando uma doutrina paupérrima, superficial e carnal, que estão matando a geração de profetas do amanhã.

70º Digo não às igrejas que estão ensinando um evangelho modificado para agradar jovens, e que não procede da doutrina apostólica, que não procede da cruz, que não procede de Jesus, que não procede de Deus.

71º Repúdio a todos os pastores e líderes religiosos que tratam a Graça de Deus como se fosse uma parte da Revelação, como mais uma doutrina, sem discernir que não há nada, muito menos qualquer Revelação, se não houver sempre, antes, durante, depois, transcendentemente e imanentemente, Graça e apenas Graça.

72º Repúdio a todos os evangélicos que aderiram ao mecanismo de manipulação religiosa de obrigações e benefícios, e que confundem o verdadeiro Deus com outros deuses.

73º Digo não a todos aqueles que desconhecendo a Revelação da Palavra da Graça do Evangelho de Deus, concordam em ver a Bíblia sendo ensinada por cegos que guiarão outros cegos. 

74º Repúdio ao novo evangelho que facilita; que agrada à carne; ao evangelho de bailes, de encontros e festas gospel.

75º Digo não a esta geração de evangélicos que se dizem radicais, mas sem cultura bíblica, sem uma vida de dedicação ao próximo, sem uma vida de oração, sem uma vida de profunda comunhão com Deus.

76º Repúdio a todos os oportunistas mau caráter que se dizem evangélicos, e que fazem da religião um campo de atuação com potencial diabólico e escravizador.

77º Digo não aos líderes evangélicos e a todos os seus seguidores que não têm experiência com Deus, são frios, carnais, promíscuos, mas que querem passar uma imagem de santidade com Deus.

78º Repúdio aos líderes religiosos que transformaram em mero título, a sublime função dos presbíteros e diáconos, que sob unção da igreja local, devem cuidar da ministração da Palavra e da vida de oração da comunidade, a fim de que ninguém tenha necessidade: seja material, espiritual ou social. 

79º Repúdio aos que classificam o evangelho, e pregam um evangelho para adolescentes, um evangelho para jovens, um evangelho para senhoras, um evangelho para cada tipo de pessoa.

80º Digo não ao show gospel que acontece dentro e fora do “templo”, em substituição ao verdadeiro culto do povo a Deus, para que voltemos a ver Jesus Cristo onde dois ou três estiverem reunidos.

81º Digo não às profecias liberadas pela boca dos pastores aos jovens, dizendo que são geração de Elias, geração boca de Deus, mas estas nunca se cumprem e nem se refletem no comportamento dos mesmos.  

82º Repúdio a toda e qualquer tagarelice crentesca, interesseira e manipuladora, que em nada lembra o amor e doação de Jesus Cristo em favor de uma humanidade em pecado.

83º Repúdio a todos os cristãos que “acreditam em Deus”, sem saber que nada fazem, mais que os demônios quando assim professam, posto que não estamos nesta vida somente para reconhecer que Deus existe, mas para amá-Lo e conhecê-Lo.

84º Repúdio aos lideres evangélicos que fazem com que os verdadeiros cristãos sejam confundidos com os mercenários da fé que usam técnicas mirabolantes de marketing para manipular a ingenuidade e a ignorância de um povo sofrido.

85º Repúdio à prática dos líderes evangélicos que fazem da igreja um negócio rentável e que vê as outras denominações apenas como uma empresa concorrente.

86º Digo não aos cultos pentecostais e judaizantes com ritos, rituais e acessórios fantasiosos, com um cenário e uma coreografia preservada, mas sem vitalidade espiritual.

87º Repúdio aos evangelistas estrangeiros que vêm ao Brasil para soprar sobre as multidões. Estes provocam que as pessoas caiam sob o “poder de Deus” para tirar fotografias ou gravar os acontecimentos e depois levantar fortunas em seus países de origem.

88º Repúdio aos líderes de jovens que, ao contrário de José, Davi, Estevão e muitos outros que procuravam viver uma vida de comunhão com Deus, estão mais para promotores de festas gospel em casas noturnas ou bailes em igrejas.

89º Repúdio aos evangélicos com a mentalidade tão pequena que estão preocupados se podem beber vinho, usar piercing, fazer tatuagem, se tratar com acupuntura, ao invés de debater grandes temas e fazer um exercício religioso mais nobre.

90º Repúdio aos ministérios evangélicos que possuem emissoras de TV, de rádio, editoras e gravadoras ditas evangélicas, que mantendo uma ridícula grade de programação, não possuem outro interesse que não seja o lucro.

91º Repúdio aos ministérios evangélicos que transformam a igreja num mero supermercado ou shopping Center, que disponibilizam bênçãos a serem vendidas nas prateleiras espirituais, sob uma prática de leilão da maior oferta.

92º Repúdio aos “pastores”, “bispos” e “apóstolos” que deturpam o evangelho para “estuprar” as mentes e os corações das pessoas que mais sofrem no Brasil, e que vêem na porta de um templo uma possível solução de seus problemas.

93º Repúdio às experiências religiosas nefastas e danosas, que disfarçadas com prosperidades e obras sociais, não têm absolutamente nada haver com o evangelho de Jesus Cristo e nem com a espiritualidade cristã.

94º Repúdio aos líderes evangélicos donos de igrejas, que criticam outras igrejas por adoração a ídolos e imagens, e colocam suas próprias imagens e das suas esposas em grandes painéis nas fachadas de suas igrejas.

95º Repúdio às grandes igrejas que, não contentes em transformar seus ministérios em grupos comerciais, com gravadoras, editoras, rádio, TV, universidades entre outros, ainda lançam seus candidatos políticos e obrigam os membros a votarem, sob pena de serem considerados rebeldes. 



REFERÊNCIAS

COSTA, Antônio C. Convulsão protestante: quando a teologia foge do templo e abraça a rua. 1º Ed. São Paulo: Mundo Cristão, 2015

FILHO, Caio F. A. Desgosto. Em:

GONDIM, Ricardo. Estou cansado. Em:

KIVITZ, Ed R. Religião e Espiritualidade. Em:
< https://www.youtube.com/watch?v=lm4iroUDBK8>. Acesso em:  10 ago 2015.

RAMOS, Ariovaldo. Não quero ser mais evangélico. Em:

RAMLOW, Rodomar R. Carta de repúdio à igreja. Em: <http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/carta-de-repudio-a-igreja>. Acesso em: 06 out 2015.

SEVENDIGITAL. Acredite se quiser! Essa festa é numa igreja evangélica. Em: <https://www.youtube.com/watch?v=K2YBOsAFWNo >. Acesso em: 06 out 2015.

VEM SEGUE-ME. Diga não às igrejas e sim ao evangelho. Em: <https://www.facebook.com/vsegueme/about?section=bio&pnref=about>. Acesso em: 23 set 2015.

fonte: http://registrocientifico.blogspot.com.br/2015/10/95-teses-da-reforma-evangelica-do-brasil.html