quarta-feira, 16 de abril de 2014

PASTOR CARLOS PADILHA DE SIQUEIRA, GRANDE BALUARTE DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM SÃO PAULO, PARTE PARA A ETERNIDADE

Desde a madrugada da última terça feira, 15 de abril, no templo-sede da Assembleia de Deus, Ministério do Belém em Presidente Prudente (SP), esta sendo velado o corpo do Pastor Carlos Padilha de Siqueira, presidente de honra da Igreja na região. Pastor Padilha faleceu na segunda, após 100 dias internado, por ter sido vitima de um AVC.

Conhecido em todo território nacional e exterior por fazer parte da liderança maior das Assembleias de Deus no Brasil, seu falecimento já levou a Prudente irmãos de diversas regiões. As 19h teve início o primeiro culto fúnebre, que foi dirigido pelos filhos, pastores, Samuel (Presidente Prudente); Enéias (Votuporanga); Israel (Piedade) e Jesiel Padilha (Santos); Além de dezenas de líderes de Campo do Ministério do Belém, obreiros de outros estados compartilharam com a família Padilha este momento de separação.

Neste primeiro culto, além de seus contemporâneos, pastores, Joel Amâncio (Limeira); Lourival Vilela (Rio Claro); Otávio Teixeira (Andradina), o pastor Francisco Cosmo, em nome dos obreiros de Prudente, prestaram suas homenagens ao pastor Padilha. Ainda neste culto, o pastor Ival Teodoro da Silva, presidente da CIEADEP - Convenção das ADs no Estado do Paraná, representado pelo pastor Robson Brito (AD Maringá) também homenageou o líder Paulista.

O velório segue até as 9h desta quarta feira, 16 de abril, quando sob a presidência do Líder da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), pastor José Wellington Bezerra da Costa, terá início o segundo culto fúnebre, no templo da AD Prudentina, sito a Rua Bela, 161, Vila Ocidental, o sepultamento esta previsto para as 11h no cemitério da Paz.

Acompanhe ao vivo ao culto de despedida do pastor Carlos Padilha de Siqueira pelo site www.ademprudente.com.br.

Por Tiago Bertulino




  



Um comentário:

Alberto Couto Filho disse...

Amigão
Paz

Pode-se estimar o lamentável da perda; pode-se, até, vê-la como irreparável, mas só em pensar que ele já descansa no Senhor, o regozijo é devido em razão da recepção nas hostes celestiais.
É a vida; é a recompensa.
Alberto