sábado, 27 de abril de 2013

GOVERNO ANGOLANO EXPULSA IGREJAS EVANGÉLICAS BRASILEIRAS. MOTIVO: ENGANAM O POVO COM NEGÓCIOS FRAUDULENTOS


O governo de Angola baniu a maioria das igrejas evangélicas brasileiras do país.

Segundo o governo, elas praticam "propaganda enganosa" e "se aproveitam das fragilidades do povo angolano", além de não terem reconhecimento do Estado.

"O que mais existe aqui em Angola são igrejas de origem brasileira, e isso é um problema, elas brincam com as fragilidades do povo angolano e fazem propaganda enganosa", disse à Folha Rui Falcão, secretário do birô político do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e porta-voz do partido, que está no poder desde a independência de Angola, em 1975.

Cerca de 15% da população angolana é evangélica, fatia que tem crescido, segundo o governo.

Em 31 de dezembro do ano passado, morreram 16 pessoas por asfixia e esmagamento durante um culto da Igreja Universal do Reino de Deus em Luanda. O culto reuniu 150 mil pessoas, muito acima da lotação permitida no estádio da Cidadela.
O mote do culto era "O Dia do Fim", e a igreja conclamava os fiéis a dar "um fim a todos os problemas que estão na sua vida: doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas."

O governo abriu uma investigação. Em fevereiro, a Universal e outras igrejas evangélicas brasileiras no país -- Mundial do Poder de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém-- foram fechadas.

No dia 31 de março deste ano, o governo levantou a interdição da Universal, única reconhecida pelo Estado.

Mas a igreja só pode funcionar com fiscalização dos ministérios do Interior, Cultura, Direitos Humanos e Procuradoria Geral da Justiça. As outras igrejas brasileiras continuam proibidas por "falta de reconhecimento oficial do Estado angolano". Antes, elas funcionavam com autorização provisória.

As igrejas aguardam um reconhecimento para voltar a funcionar, mas muitas podem não recebê-lo. "Essas igrejas não obterão reconhecimento do Estado, principalmente as que são dissidências, e vão continuar impedidas de funcionar no país", disse Falcão. "Elas são apenas um negócio."

Segundo Falcão, a força das igrejas evangélicas brasileiras em Angola desperta preocupação. "Elas ficam a enganar as pessoas, é um negócio, isto está mais do que óbvio, ficam a vender milagres."

Em relação à Universal, a principal preocupação é a segurança, disse Falcão.

8 comentários:

Xavier Campos Joaquim disse...

A paz do Senhor pastor Guedes. Sempre estive na torcida que fossem retiradas, porque ano passado quando estive lá, o que espantou , foi ver a igreja Mundial separada. Já havia uma Mundial Renovada. É melhor eles voltarem aqui mesmo pastor. Pelo menos vocês têm mais estruturas para afrontá-los.Risos. Um forte abraço.

Pastor Guedes disse...

Caro Xavier, a paz do Senhor!

Eu sabia que você, como bom cristão e bom angolano que é, ia se manifestar acerca de assunto tão polêmico.

Deus continue lhe abençoando e toda a igreja de Lins.

Abraço Forte.
No Amor de Cristo.

Anônimo disse...

hoje aqui no Brasil qualquer estelionatário vira pastor, basta um salão e uma sacola. Angola está dando exemplo de como lidar com esses pilantra.

Presbítero Maurício disse...

Paz!

Alguém passou por lá...e deu mau testemunho... Coisas da IURD

Ana Paula Silva disse...

Pr. Guedes a Paz do Senhor. Por favor venho solicitar uma ajuda do senhor. Certo dia um irmão veio pregar em nossa congregação e falou que o Apóstolo Paulo falava 40 idiomas, bem, meu esposo procurou no livro: A Vida e os Tempos do Apóstolo Paulo e na Bíblia, enfim em vários lugares e não encontrou. Seria possível o Senhor nos tirar esta dúvida? E se ele falava mesmo nós gostaríamos de saber onde contém esta informação, se existe algum livro específico? Desde já agradeço que a Paz seja convosco e sua família. Irmã Ana.

Pastor Guedes disse...

Prezada Irmã Ana Paula, a Paz do Senhor!

Nunca vi tal informação e julgo que carece de fontes seguras. Sabemos, pela Bíblia, que Paulo falava hebraico, aramaico e grego. Suas viagens missionárias fizeram-no ter conhecimento de outras línguas nativas e línguas regionais dos campos que ele abriu, idiomas como siríaco, turco e latim (esse último por suas prisões em Roma).

Deus lhe abençoe.

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Guedes,

A paz amado!

Estas "igrejas" procedem do malígno e são sementes que provocarão a aberturas de feridas imensas na alma do ser humano e serão utilizadas para o benefício do príncipe deste mundo.

Triste e motivo de nos preocuparmos com peserguições que se desenham á nossa volta.

O Senhor seja contigo, meu amigo,

o menor.

Otoniel Rocha disse...

Irmãos amigos, os dias são maus.


Em Fp 3.18 São Paulo nos diz chorando, para o imitarmos e observarmos os que andam segundo o exemplo dos primeiros cristãos. Devemos prestar atenção nos primeiros pregadores, pois temos entre nós hoje em dia muitos que são inimigos da cruz de Cristo. Há pregadores da glória, que afirmam ser bom o que é mau, e mau o que é bom; mas os pregadores da cruz dizem as coisas como elas são.
Isto é evidente, pois enquanto os pregadores ignorarem a cruz de Cristo, eles ignoram o Deus oculto nos sofrimentos. Por isso, preferem as obras aos sofrimentos, preferem a glória à cruz, o poder ao invés da debilidade, a sabedoria à singeleza do desconhecimento e, de um modo geral, preferem mais o benefício do que os males. Esses são os inimigos da cruz de Cristo, e certamente o são, porque odeiam a cruz e os sofrimentos, ao passo que amam as obras e a glória que vem dessas obras.
Assim, praticam idolatria e feitiço, e com orgulho e egoísmo refinado eles chamam o bem da cruz de um mal, e o mal da obra de um bem. Deus não é encontrado senão nos sofrimentos e na cruz. Os amigos da cruz afirmam que a cruz é boa e que as obras são más, porque, pela cruz, são destruídas as obras e é crucificado Adão; pelas obras, este é antes, edificado. Portanto, é impossível que não se envaideça com suas boas obras a pessoa que não for primeiramente esvaziada e destruída pelos sofrimentos e males, até que saiba que ela mesma nada é, e que as obras não são suas, mas de Deus.

Cristo disse: quem quer ser cristão, deve conscientizar-se de que vai apanhar e que terá por inimigos, em primeiro lugar, os que estão de fora da cristandade, que hão de opor-se a ele, odiá-lo e causar-lhe danos, hão de espancá-lo e estrangulá-lo. Ou, o que é o menor dos males, irão caluniar [o cristão], amaldiçoá-lo e condená-lo. E é certo que quem não é odiado, caluniado e perseguido ainda não é cristão, ou, ainda, não demonstrou seu cristianismo com atos exteriores ou com confissão pública. Pois assim que se dispõe a confessar, terá o mundo por inimigo, que, se puder, certamente o matará em consequência disso. Esses são os inimigos públicos, fora da cristandade, que todo mundo pode ver e sentir perfeitamente. Mas, além desses vocês ainda terão outra categoria de inimigos, não inimigos de fora e que negam a doutrina, e, sim, os que crescem no meio de vocês, usam o nome de vocês e dele se gabam.
Esses, sim, são os que causarão os maiores estragos e prejuízos ao evangelho.