sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

PASTOR DESCREVE A CHEGADA DE NIEMEYER NO CEU


O pastor luterano Mozart Noronha chamou a atenção pela forma com que conduziu sua participação no culto ecumênico em homenagem ao arquiteto Oscar .... Foto: Juliana Prado/Especial para Terra
JULIANA PRADO
Direto do Rio de Janeiro
Quem esperava que o culto ecumênico em homenagem ao arquiteto Oscar Niemeyer, o ateu comunista, fosse motivo de algum constrangimento, se surpreendeu. Na tarde desta sexta-feira, o penúltimo ato formal de despedida ao arquiteto, morto aos 104 anos no Rio de Janeiro, foi marcado por várias citações descontraídas ao ateísmo de Niemeyer e também ao fato de ele ser comunista.
Foi a própria dupla de padres, além de um pastor e um rabino, a responsável por dar um tom ameno à celebração - mesmo que o burburinho reinante fosse de que não combinava realizar um ato religioso para celebrar a alma de um ateu. O pastor luterano Mozart Noronha chamou a atenção pela forma com que conduziu sua participação na cerimônia. Mais que demonstrar respeito à opção de Niemeyer pela ausência de uma prática religiosa, homenageou o arquiteto com um poema.
Nele, ao chegar no imaginário céu, Niemeyer, com a bandeira comunista em punho, pergunta pelo companheiro Luiz Carlos Prestes e ainda é recebido por anjos em coro da Internacional Comunista. Ao final da peleja, uma sutil controvérsia: é convidado a entrar no cenário celestial, aquele que nunca acreditou existir. Afinal, para Niemeyer, a visão da vida sempre foi de finitude, bastante crua e prática: "a vida é um sopro, um minuto. A gente nasce, morre. O ser humano é um ser completamente abandonado..." , dizia o arquiteto.
A seguir, a íntegra do texto do pastor-poeta, lido no culto ecumênico:
Numa tarde de verão,
Dia cinco de dezembro
Do ano dois mil e doze,
Vi a Santíssima Trindade
Reunida de emergência,
Ordenando aos seus apóstolos
Receberem Niemeyer
O incansável guerreiro
Que do Rio de Janeiro
Partiu para a eternidade
Deus estava mui feliz
O espírito nem se fala!
E na comunhão do além
Recomendaram que os anjos
Organizassem um coral
Em homenagem ao arquiteto
Cantando a Internacional.
Logo os músicos reunidos,
Sopranos, baixos e tenores,
Com todos os seus instrumentos
Entoaram uns mil louvores
Externando os sentimentos.
Juntaram-se os trovadores,
Mil pintores e poetas,
Abraçando os escritores
Numa festa sem igual.
Niemeyer vestia azul,
Com a bandeira vermelha
Segurada à mão esquerda,
Bem como a foice-martelo.
Indagou por Carlos Prestes
E todos os seus companheiros.
Deus que sempre sentiu dores
De um povo pobre e oprimido
Disse: entre aqui, Niemeyer.
No céu você tem lugar.
FONTE: http://noticias.terra.com.br/brasil/oscarniemeyer/noticias/0,,OI6363924-EI14397,00-Em+poema+pastor+planeja+encontro+de+Niemeyer+com+anjos+no+ceu.html

6 comentários:

Pr. Genivaldo Tavares de Melo disse...

Essa poesia parece mais uma caçarolada de coisas indigestas, sem pé nem cabeça; sem conteúdo meritório considerando apenas o aspecto profissional do homenageado póstumo e sem verdade quando inclui o céu. Ainda bem que não sei se no original, o espírito está com letra minúscula, até nisso, errou.

Pastor Guedes disse...

Caro Pr. Genivaldo, meu Amigo, a Paz!

Agradeço por sua visita e comentário.

Concordo com sua crítica kkkkk

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

Pb Fernando disse...

Pr. Guedes, a paz do Senhor!

É o fim da picada mesmo. Daqui a pouco esse pastor, vai dizer que Hitler, Kadafi, Sadan, Starlin Lenin, Mao-Tsetung e tantos outros genocidas, foram salvos.

zilda disse...

É tudo tão absurdo que me pergunto quem convidou esses malucos pro velório...

Vera irmã disse...

Que falta de assunto nós sabemos que não é assim quanto engano na vida de homens (cultos)infelizmente.irmã Vera

Pastor Guedes disse...

Cara Irmã Vera, a Paz!

O pior é que esses homens são ilustres teólogos que estudaram Teologia e filosofia para, infelizmente, se desviarem da sã doutrina e desviar a fé dos outros também.

Deus abençoe a senhora.