segunda-feira, 15 de outubro de 2012

NOSSO VIZINHO URUGUAI ESTÁ A UM PASSO DE LIBERAR A MACONHA, O ABORTO E O CASAMENTO GAY.


Blocos de maconha seca expostos em Montevidéu; projeto do governo uruguaio permite o cultivo, a venda e o consumo
Blocos de maconha seca expostos em Montevidéu; projeto do governo uruguaio permite o cultivo, a venda e o consumo.

SYLVIA COLOMBO
ENVIADA ESPECIAL A MONTEVIDÉU

Às vésperas de aprovar o fim de restrições à maconha, ao aborto e ao matrimônio gay, o pacato Uruguai aos poucos se posiciona como vanguarda no que diz respeito a leis relacionadas a direitos civis na América Latina.

Em distintos estágios, as três estão no Congresso e a previsão é que terminem de ser votadas ainda neste ano. O aborto já passou pela Câmara de Deputados.

Por trás delas, há um grupo de jovens legisladores da Frente Ampla, coligação de esquerda que o presidente Jose "Pepe" Mujica integra.

Sebastian Sabini, 31, é professor de história e recebeu a Folha em seu gabinete na Assembleia Legislativa de jeans e tênis vermelhos. "Trouxemos uma nova agenda, mas não estamos fazendo nenhuma revolução, ela é coerente com a tradição do país."

"Somos um Estado laico, que não proibiu o consumo de maconha nem durante a ditadura e sempre esteve adiante em temas como divórcio e direitos civis em geral", acrescenta Sabini. O projeto tem no presidente Mujica e em seu ministro de Defesa, Eleuterio Huidobro, ambos ex-guerrilheiros, seus maiores entusiastas. 

Segundo o texto, o Estado produzirá e controlará a produção da droga. Serão criadas empresas públicas para as plantações, e cada cidadão poderá comprar até 40 cigarros por mês após registrar-se como usuário. Só valerá para uruguaios ou residentes.

"Dessa forma, pretendemos combater o narcotráfico. Hoje, de cada três presos no Uruguai, um está relacionado ao problema da droga. A estratégia proibicionista de países como Colômbia e México não trouxe resultados e criou mais violência", diz. Segundo o Ministério da Defesa uruguaio, a maconha é um negócio que move US$ 75 milhões por ano e conta com 1.200 vendedores e distribuidores. O país possui 3,3 milhões de habitantes.

Uma pesquisa do Observatório Uruguaio de Drogas diz que 20% dos uruguaios entre 15 e 65 anos já provaram maconha alguma vez; 25% fumam regularmente; 21,1%, algumas vezes por semana; e 14,6%, diariamente.

Os planos do governo são produzir 81 mil quilos de maconha por ano, para atender a cerca de 150 mil consumidores, numa área de pelo menos 64 hectares.

A Frente Ampla possui uma maioria pequena na Câmara dos Deputados e no Senado. Por isso, a aprovação de cada uma dessas leis tem de ser muito negociada.

No caso do aborto, a proposta da coligação era mais ampla e foi rejeitada. Em setembro, os deputados acabaram aprovando uma lei alternativa, da oposição, que estabelece uma junta à qual a mulher tem de se apresentar e justificar suas intenções.

Alguns movimentos feministas reclamaram, alegando que se tratava de um constrangimento, e houve um protesto de mulheres nuas do lado de fora do Parlamento.

OPINIÕES CONTRÁRIAS
No caso da maconha, a disputa é mais acirrada, e alguns deputados ainda não definiram o voto. O governo é pressionado pelos dois lados.

Por um, a direita, liderada por deputados como Pedro Bordaberry (filho do ditador Juan María Bordaberry), diz que a liberação vai aumentar os índices de violência. "Precisamos de leis para combater a violência, e não para legalizar as drogas", diz.

O ex-presidente Tabaré Vázquez, também da Frente Ampla, médico e pré-candidato a suceder Mujica, posicionou-se contra, dizendo que a maconha prejudica a saúde e leva a outros vícios.
Por outro lado, entre os consumidores, a grita é para que a lei contemple o cultivo próprio, hoje proibido.

O diretor da Associação de Estudos da Cannabis do Uruguai, Juan Vaz, diz temer o fato de que o Estado terá uma lista de usuários. "Na verdade, a lei é um passo atrás, uma vez que o consumo aqui já é despenalizado. O que muda é que agora vamos estar sob a vigilância do governo. Uma lista estigmatiza".

Em artigo no jornal "El País", o escritor peruano Mario Vargas Llosa disse, referindo-se ao projeto da maconha, que o Uruguai hoje é um "modelo de legalidade, liberdade, progresso e criatividade".

6 comentários:

Pr. Anselmo Melo disse...

Meu querido irmão Pr Guedes.
Aqui quando nos referimos a algum produto de baixa qualidade é inevitável que se faça uma brincadeira: "Esse veio do Paraguai". Paraguai tornou-se sinônimo do que não presta.
Ao que parece a moral e os bons costumes paraguaios seguem o mesmo caminho dos produtos por lá comercializados.De baixa quanlidade e de origem duvidosa.
Tens notícias de los hermanos paraguaios?

Thiago Boudny disse...

A Paz do Senhor pastor Guedes!
Lamento!
Lamento pela ignorância dos líderes políticos deste país, cujas ações implicam em total desagrado ao Deus Poderoso.
Aliás, feliz é a nação cujo Deus é o Senhor!
A liberação de todas essas práticas, resultará em nada mais nada menos que destruição, seja ela física, moral, ética ou espiritual; pois uma sociedade sem limites ela se auto destrói, e um reino ou sociedade dividida não pode prosperar. Que o povo venha chegar ao pleno conhecimento da verdade!
A centenas de anos antes de Cristo os gregos escreveram no templo de Delfos: "Homem, conhece a ti mesmo".
Jesus disse quando veio a terra: "conhecereis a verdade e ela vos libertará".
O povo precisa mais do que nunca, do conhecimento, pois sem o qual só permanecerão no erro e na ignorância...

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro pr. Guedes,

A paz amado!

Conheço o Uruguai há alguns anos, e conheci um povo agradável, culto e muito simpático.

Triste saber que a sua liderança política se desvia dos bons argumentos de uma sociedade estável e é envenenada pelos desejos que corrompem a sociedade prostituindo a Família.

Triste saber que a sua população possui apenas 3.300.000 habitantes, e que com a aprovação desta lista, especialmente liderada pelo diabo, o príncipe deste mundo que, certamente, o desastre natural e imoral.

Este será o veneno que consumirá o que existe de normal na sociedade. A luta será estrondosa.

Irão transformar este pequeno país em uma Sodoma e Gomorra, ou em uma casa de vampiros que sugarão o máximo da moral de uma sociedade.

Triste!

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor de todos os teus irmãos.

Pastor Guedes disse...

Caro Pr. Anselmo, meu Amigo,

A Paz do Senhor!

Desculpe por fazer uma confusão em sua cabeça. O primeiro post realmente saiu como "Paraguai", mas depois editei e digitei o correto: "Uruguai". Seja como for, o problema se avizinha e temos muito pouco tempo para analisar. O que precisamos é tomar atitudes e a Igreja não pode ficar (outra vez) em cima do muro, como sempre...

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

Pastor Guedes disse...

Caro Thiago, a PAZ!

Sim, concordo que a liberação dessas drogas e tipos de comportamentos tais como esses em questão trarão ainda mais destruição à sociedade humana já combalida e cambaleante, moralmente falando.

Os valores dessa sociedade sem Deus só levarão as pessoas a um maior distanciamento dos princípios da santa Palavra e dos princípios morais do Decálogo e do Sermão do Monte. É o humanismo avançando atrelado ao relativismo.

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

Pastor Guedes disse...

Caro Pr. Newton, a Paz do Senhor!

É tudo muito triste mesmo. Saber que o pecado está avançando e agora de forma institucionalizada e organizada por governos e por ONGS. Trata-se de uma forçação de barra orquestrada pela ONU para ter todas as nações dentro de um mesmo prisma: o secular. E assim todos os povos, irremediavelmente, sucumbirão a esse sistema de vida e de governo. Nem por isso devemos ficar calados.

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!