sexta-feira, 14 de setembro de 2012

CCLI RECUA E APRESENTA DEFESA DA COBRANÇA DE IMPOSTO SOBRE HINOS NAS IGREJAS, MAS NÃO CONVENCE!


A CCLI veio, finalmente, a público para se retratar ou esclarecer acerca da cobrança do imposto sobre os hinos de seus associados cantados nas igrejas. A meu ver o texto abaixo tem somente uma justificativa: a associação recuou diante do movimento nas redes sociais reprovando a iniciativa de enviar "notificações" às igrejas. Ficam as perguntas: se não têm a intenção de cobrar por que enviar cartas às igrejas? E por que o envio de uma tabela com os preços de acordo com o número de membros de cada igreja? 
Lamentável, senhores, lamentável! Se o Bispo McAlister não tivesse posto a boca no trombone estaríamos a mercê desses senhores, fazendo (eles) terrorismo branco nas igrejas.
Como esse blog nunca deixou ninguém sem direito de resposta, abaixo segue o texto apresentando a defesa da CCLI.  
São Paulo, 13 de setembro de 2012.
Lamentamos profundamente qualquer manifestação que seja feita com o objetivo exclusivo de denegrir autores e ministros de música. Com a finalidade de isentar igrejas, pastores, músicos, autores e ministros de música que participam da CCLI, e em razão dos questionamentos sobre a possibilidade de cobrança de direitos autorais por músicas cantadas e tocadas dentro das igrejas, esclarecemos o seguinte:
      • A CCLI fiscaliza ou cobra igrejas pelo direito de cantar e tocar músicas de autores brasileiros e estrangeiros?
        Não, esta informação tem sido divulgada de forma equivocada e imprudente. A CCLI nunca irá impor ou obrigar a participação de nenhuma igreja em seus programas.
      • A Igreja PODE ser cobrada por tocar e cantar músicas durante os cultos?
        Não. A Lei Federal 9.610 atribui a responsabilidade pela arrecadação e distribuição do direito de execução pública (cantar, tocar, interpretar uma música) exclusivamente ao ECAD (www.ecad.org.br), que, atualmente, tem esclarecido sua política de não fiscalizar as atividades de igrejas realizadas dentro do templo.
      • Algum dia, a Igreja PODERÁ ser cobrada por tocar e cantar músicas durante os cultos?
        Não. A cobrança pelo que é cantado ou tocado durante os cultos, inclusive, já foi julgada inconstitucional pelos Tribunais por ferir a liberdade de culto. Além disso, tramitam no Congresso Nacional diversos Projetos de Lei que pretendem alterar a Lei de Direitos Autorais brasileira para que as igrejas sejam expressamente isentas pelo pagamento de direitos autorais das músicas que são cantadas ou tocadas em seus cultos. A CCLI apoia esta proposta de alteração que, inclusive, segue a mesma direção da legislação já existente em outros países onde estamos presentes.
      • A CCLI notifica igrejas ou cobra algum tipo de imposto?
        Não. A CCLI envia informativos pelo correio e também realiza outros tipos de campanhas de conscientização sobre a Lei Federal 9.610. Por ser inapropriado, o termo “notificação” nunca foi utilizado em nossos materiais e nenhum “imposto” é cobrado pela CCLI, algo que, a propósito, só pode ser feito pelo Poder Público. Os valores apresentados correspondem aos serviços que oferecemos.
      • Então, o que a CCLI realmente faz?
        Oferecemos às igrejas uma ferramenta prática e acessível para regularizar algumas de suas atividades na área de música, de acordo o Artigo 29 da Lei Federal 9.610. A Licença de Direitos Autorais, portanto, supre a necessidade de obter uma autorização prévia dos autores e permite que músicas possam ser utilizadas corretamente em materiais impressos, arranjos personalizados, sistemas de projeção ou bancos de dados, e também em gravações do louvor ao vivo em áudio ou vídeo. Além disso, a CCLI auxilia igrejas e autores participantes no processo de autorização de traduções e versões de músicas.Toda comunicação oficial e todo material institucional da CCLI apresenta claramente qual o limite das coberturas que oferecemos às igrejas, conforme descrição acima.
      • Quem pode participar da CCLI?
        Qualquer igreja ou autor de músicas cristãs pode participar da CCLI e, em nenhum caso, a participação é obrigatória. Igrejas podem solicitar uma assinatura dos serviços pelo site www.ccli.com.br/assinatura e autores podem enviar um email paradireitosautorais@ccli.com.br para receberem informações adicionais.
      • Quais autores já participam da CCLI?
        Esta consulta pode ser feita diretamente pelo site www.songselect.com.br. Através deste portal, também disponibilizamos materiais e dados completos sobre milhares de músicas, incluindo autoria, administração de direitos, referências de temas, trechos de gravações, letras, traduções autorizadas, cifras e partituras oficiais de milhares de músicas em português, inglês e espanhol. Muitos já utilizam o SongSelect como fonte gratuita de pesquisa para "descobrir" quem é o autor ou quem administra os direitos de uma música, um pesadelo para que quer tem o cuidado de atribuir o crédito dos autores.
      • O que a CCLI faz com os valores recebidos das igrejas?
        Os valores que recebemos por estes serviços são proporcionalmente convertidos em créditos para os autores, de acordo com a utilização de suas músicas em nossos programas.
Há mais de 20 anos, orientamos milhares de igrejas ao redor do mundo que já tomaram a decisão de respeitar e honrar o trabalho de autores que vivem (ou não) do ministério da música. A CCLI, portanto, assessora igrejas e autores participantes em questões legais e burocráticas (contratos, legislação, administração de catálogos, etc) relacionadas a direitos autorais aqui no Brasil e no mundo.
Sabemos que, muitas vezes, a simples utilização do termo “direito autoral” acaba se tornando sinônimo de “ameaça” apenas por falta de conhecimento ou entendimentos equivocados.
Por isso, reafirmamos que a CCLI nunca irá obrigar ou fiscalizar a participação de nenhum autor ou igreja. Nosso objetivo em todos os países onde estamos presentes é contribuir para que a música cristã seja respeitada, e para que autores e igrejas tenham as informações necessárias para decidir o que fazer em relação a este assunto.
Nossos canais de comunicação estão sempre à disposição pelo 0800-600-2254 ou pelo email ccli@ccli.com.br. Se precisar esclarecer alguma dúvida sobre a CCLI ou sobre direitos autorais, estamos à sua disposição.
Atenciosamente,
Daniel Freitas
Gerente de Operações, CCLI Brasi

12 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Ummmmm......

O menor de todos os menores.

Relator disse...

Ja havia pedido para os conjuntos musicais onserirem o cantor cristao em seu repertorio.

Pr. Anselmo Melo disse...

Meu querido irmão Pr Guedes. A parte que mais me chamou a atenção foi essa: “Há mais de 20 anos, orientamos milhares de igrejas ao redor do mundo que já tomaram a decisão de respeitar e honrar o trabalho de autores que vivem (ou não) do ministério da música. A CCLI, portanto, assessora igrejas e autores participantes em questões legais e burocráticas (contratos, legislação, administração de catálogos, etc) relacionadas a direitos autorais aqui no Brasil e no mundo".
Conhece aquele dito popular: “A emenda que ficou pior que o soneto”?
Quer dizer então que nós fazemos parte do grupo que ainda não tomamos a decisão de respeitar e honrar o trabalho dos músicos e autores?
Agora como diz o povo aqui na terrinha que vivo: A CCLI “cagou” de vez.
Se já não tinha o meu respeito, agora menos ainda.
Em minha opinião não passam de um bando de desocupados tentando arrumar um jeitinho de ganhar uma grana fácil. À custa do trabalho alheio.
Paz!

Pastor Guedes disse...

Caro Pastor Newton,

A Paz!

Gostei do seu ummmmmm...rsrsrs

Abraço.

Pastor Guedes disse...

Caro Relator,

A Paz!

Boa iniciativa do Amado.

Abraço.

Pastor Guedes disse...

Caro Pr. Anselmo,

A Paz do Senhor!

Concordo com o Amigo. Quiseram justificar o injustificável e mais: só se pronunciaram porque o Bispo da Igreja Cristã Nova Vida (Bp. McAlister) denunciou, caso contrário estariam calados e ameaçando as igrejas. Ah, essa internet! Ah, essas redes sociais! Cada vez eu gosto mais!!!

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

Alberto Couto Filho disse...

Amigão,
Paz

Ah! Esta minha família!
Como disse o nobre pastor Anselmo, até então temos dado força à pirataria. M I S E R I C O R D I A !
Depois, vem a tal cantilena:
Fica irmão, a blogosfera precisa de você. PRA ONDE TAMOS INDO?
Não, não responda!
O que faremos com aqueles ARTISTAS que concordaram com a cobrança?
Em menos de 24 horas o amigão poderá ler a minha mais extensa mensagem postada por este seu admirador, ranzinza sim, mas ético, honesto, altruísta e extremamente responsável.
Tens notícia do Pastor Alex do PODER DAS ESCRITURAS?
Alberto

***Lucy*** disse...

A Paz de Cristo, Pr. Guedes

Esta notícia em nada me surpreende!!!

O que me deixe perplexa não são os cantores evangélicos se valorizarem tanto ao ponto de cobrarem altos cachês, visto que, os mesmos são de fato artistas gospel. Pior que isto, é a irresponsabilidade de pastores que usam o dinheiro da igreja para promoção de shows, usando o templo como palco para atrair seguidores, ao invés de utilizarem os dízimos e ofertas em prol do verdadeiro Evangelho, para que eles não sejam reprovados naquele grande Dia, quando haverá prestação de contas de tais lideranças ao legítimo dono da Igreja, os quais não alimentou quem tinha fome, não saciou quem tinha sede, não hospedou o forasteiro, não vestiu o nú, não visitou o enfermo e muito menos o encarcerado, para que esses recebessem o Evangelho da Salvação, conforme as palavras do Senhor Jesus em Mateus 25. 31-46.

Que Deus tenha misericórdias não só dos cantores gospel, mas principalmente de algumas lideranças que, adormecidas nos braços do deus Mamon, acumulam recursos financeiros para desfrutarem na terra daquilo que os justos só poderão alcançar no Céu; e isto, de forma muito mais gloriosa do que aqueles que prevaricam para sua própria condenação.

Em Cristo,

***Lucy***

RAIANE disse...

ESSES CANTORES VÃO TER QUE DÁ CONTA A DEUS NO GRANDE DIA POIS ESTÃO COBRANDO UM DOM QUE DEUS DEU DE GRAÇA.NÃO ADIANTA COLOCAR NA LETRA DA MÚSICA QUE VAI LEVAR A SALVAÇÃO PARA O MUNDO SE QUANDO CHAMAM PRA IR NAS IGREJAS PERGUNTA QUANTOS MEMBROS TEM E COBRAM UM ABSURDO JESUS PREGOU PARA MULTIDÃO E NÃO COBROU NADA E TEVE MUITOS SEGUIDORES.VAI ME DIZER QUE ELES ESTÃO SENDO USADOS POR DEUS

RAIANE disse...

ESSES CANTORES VÃO TER QUE DÁ CONTA A DEUS NO GRANDE DIA POIS ESTÃO COBRANDO UM DOM QUE DEUS DEU DE GRAÇA.NÃO ADIANTA COLOCAR NA LETRA DA MÚSICA QUE VAI LEVAR A SALVAÇÃO PARA O MUNDO SE QUANDO CHAMAM PRA IR NAS IGREJAS PERGUNTA QUANTOS MEMBROS TEM E COBRAM UM ABSURDO JESUS PREGOU PARA MULTIDÃO E NÃO COBROU NADA E TEVE MUITOS SEGUIDORES.VAI ME DIZER QUE ELES ESTÃO SENDO USADOS POR DEUS

Anônimo disse...

Olha sou musico de um destes grandes ministério de louvor respeitado por todo o Brasil infelizmente nao posso me identificar por retalhaçao e por ser mandado embora no dia seguinte. Olha o que tenho pra dizer sobre estes ministros da grana e do mau testemunho nao caberia neste site o arquivo!! Eu diria que mais de 95 % estao escravos da grana e nao tem mais compromisso com Deus mas sim com sua conta bancaria, traição lavagem de grana, cocaina digo drogas mesmo isto é o nornal e ficam escondendo isto da grande massa para nao queimar o filme. Existe um grupo tipo cartel mesmo entre uns 15 destes maiores ministerios que tabelam o cache miseria dos musicos estou falando de 200 a 300 reais enquanto eles cobram mais de 30.000 e tambem informaçoes cruzadas de eventos estes pagos por prefeitura onde chegan a cobrar ate 150.000 como o famoso e poderoso falastrao fernandinho este gastaria 10 dias escrevendo numa proxima oportunidade!! O que dizer da familia VALADAO que nAo abre mao da sua vida nesta terra por nada!! Valadao mora num ap de mais de 9 milhoes de reais e tem mais 3 carros com valores superior a 2 milhoes!! E musicos moram na favela em belo horizonte conheço alguns nao vou falar nomes mas pode acreditar e pode procurar saber!! Ai meu Deus vou parar por aqui mais se alguem quiser saber mais posso continuar e ser mais detalhista

Pastor Guedes disse...

Caro Anônimo,

Sei de suas dificuldades em aparecer, digo, em se identificar, mas não acho legal (no sentido da lei mesmo) citar nomes de pessoas e não se identificar. Por isso, quero abrir esse mesmo espaço para que as pessoas citadas em seu comentário ou amigos (e fãs) tenham o mesmo direito de defesa.

Não estou defendendo os nomes dos cantores e músicos acima, pois não tenho procuração para isso, mas deixo em aberto aos que os queiram defendê-los. Todavia, não duvido que no mundo da música, mesmo evangélica, que está misturada com ímpios na direção de muitas empresas fonográficas, hajam pessoas com esse tipo de comportamento.

Abraço.